Diário de São Paulo
Siga-nos
Cárcere privado

Mulher mantida em cárcere pelo marido joga bilhete de socorro no quintal da vizinha: "Risco de morte"

O crime aconteceu em José Bonifácio, interior de São Paulo

Bilhete lançado por cima de muro salvou a mulher e suas duas filhas de cárcere privado - Imagem: reprodução Instagram @ongnpmc
Bilhete lançado por cima de muro salvou a mulher e suas duas filhas de cárcere privado - Imagem: reprodução Instagram @ongnpmc

Publicado em 13/07/2022, às 15h30 Vitória Tedeschi


Após jogar um bilhete de socorro, onde afirmava que estava presa e corria risco de morte, no quintal da vizinha, uma mulher foi resgatada do cárcere privado após meses, na última terça-feira (12), em José Bonifácio, cidade do interior de São Paulo.

A vítima, de 23 anos, estava com suas duas filhas, de dois e sete anos, e era mantida presa e ameçada por seu marido, de 64 anos. No papel, a jovem escreveu: "Oi, sou sua vizinha. Tô presa dentro de casa com duas crianças. Pode chamar a polícia para mim? Tô correndo risco de morte". Segundo a polícia militar, ela tomou coragem para escrever o bilhete após sofrear ameaças de morte. 

De acorodo com o g1, o tenente Matheus Maestra afirmou que ela não conversava mais com amigos ou familiares."Ela não tinha contato com ninguém. Foi a forma que encontrou para pedir socorro. O homem disse que mataria a esposa quando chegasse do trabalho".

Ainda de acordo com o tenente, os agentes foram até a residência e ouviram os pedidos de socorro, da mãe e das filhas. A casa era murada e tinha cinco câmeras de segurança para monitorar a mulher. 

O homem foi preso em flagrante por cárcere privado, lesão corporal e ameaça. "Encontramos o marido no trabalho. Ele confessou que cometia o crime porque tinha ciúme excessivo. A mulher não soube informar quantos dias foi mantida dentro de casa, porque perdeu a noção do tempo, mas disse que foram meses", conta Maestra.

casa-mulher-carcere
A casa onde as vítimas estavam tinha muros altos e câmeras para monitoração eletrônica enquanto o homem trabalhava / Imagem: reprodução Instagram @ongnpmc
Compartilhe