Diário de São Paulo
Siga-nos

Amigos e familiares lamentam morte de brasileira na Guerra na Ucrânia: ‘Só fazia o bem’

Imagem Amigos e familiares lamentam morte de brasileira na Guerra na Ucrânia: ‘Só fazia o bem’

Publicado em 06/07/2022, às 00h00 - Atualizado às 09h55 Redação


A notícia da morte de Thalita do Valle na guerra na Ucrâniachocou amigos e familiares no Brasil. Ela, que tinha 39 anos e era natural de Ribeirão Preto (SP), estava no país invadido pela Rússiaem missão humanitária havia menos de um mês. No sábado (2), morreu asfixiada por conta de um incêndio em um bunker onde estava.

O colega brasileiro que tentou ajudá-la acabou morrendo por conta de ferimentos, segundo o irmão de Thalita, Theo Rodrigo Vieira.

Além da Ucrânia, Thalita já tinha participado de uma missão humanitária no Iraque. No Brasil, ela estava envolvida em ações e causas sociais.

‘Só fazia o bem’

Para o amigo Gustavo Reis, que é prefeito de Jaguariúna (SP), Thalita era “uma amiga querida, que só fazia o bem”. Ao g1, ele contou que não sabia que Thalita estava na Ucrânia e que recebeu a notícia de um amigo em comum aos dois.

“Foi um choque maior, até porque é extremamente raro se ter brasileiros indo lutar lá. Dentro desses pouquíssimos [que estão em combate no país], temos três [mortos]. E desses três, uma era uma mulher. E essa mulher era uma mulher que eu tinha um carinho especial, uma amiga querida, que só fazia o bem e que eu tinha uma profunda admiração por tudo que vivenciei ao lado dela ao longo desses anos”, disse.

Reis e Thalita se conheceram em 2014 em uma ação em defesa dos animais em São Paulo. Um ano depois, se juntaram novamente em uma ação de resgate animais em Mariana.

“Pegamos o carro e fomos com outros ativistas até Mariana, uma longa viagem saindo de São Paulo até Mariana, para poder trabalhar no resgate dos animais e também ver as condições em que a Samarco estava alojando os animais naquele momento. E aí todos os animais, não só animais de estimação. É uma situação bem dolorida perder uma pessoa com uma alma tão generosa”.

O prefeito de Jaguariúna escreveu sobre Thalita em uma de suas redes sociais. Ele se referiu a ela como uma mulher de ideais e coração gigantesco.

“Thalita dedicou sua vida para ajudar o próximo. Faz falta gente com alma boa como ela, de querer lutar pela paz, pelo bem-estar dos animais, causas humanitárias”, escreveu.

Atual prefeito de Jaguariúna, Gustavo Reis atuou com Thalita do Valle em resgate de animais na tragédia de Mariana (MG), em 2015 — Foto: Arquivo Pessoal

Atual prefeito de Jaguariúna, Gustavo Reis atuou com Thalita do Valle em resgate de animais na tragédia de Mariana (MG), em 2015 — Foto: Arquivo Pessoal

Dono de um santuário de proteção animal em Bragança Paulista (SP), Fernando Salomão também falou sobre lembranças com Thalita.

Segundo ele, em 2017, ela saiu de Ribeirão Preto em uma viagem de quase 300 quilômetros até o município apenas para conhecer o local, pois desejava levar três bois resgatados em Forquilha (SP).

“Ela precisava de um lar para três bois que tinha feito, há pouco tempo, o resgate. Ela veio até aqui na época visitar o local, para conhecer como era o santuário, se tinha um espaço adequado. Sabia que ela tinha ido em outras ações de guerra, mas dessa daqui eu não sabia. Fiquei chocado.”

Criança agitada e apaixonada por animais

A paixão da Thalita por animais, segundo Vieira, vem de criança. Mas antes mesmo de se envolver com a causa, ela tentou outros caminhos, como teatro e televisão.

“A Thalita sempre foi muito agitada, iniciou no teatro e depois na TV, pois minha mãe era atriz e escritora. Mas sempre muito apaixonada por animais, pegava todos que achava na rua. Isso até já foi um problema pra nós.”

Ainda segundo Vieira, o interesse na causa animal surgiu naturalmente, conforme Thalita foi crescendo.

Na mesma medida, também crescia o interesse em se envolver cada vez mais em causas humanitárias, fato que ela não costumava compartilhar com a família para evitar preocupações dos pais.

“Durante os estudos, despertou o interesse em proteção animal e seguiu ajudando. Quando vimos, ela já estava indo para o Iraque. Ela nunca avisou muito sobre suas incursões. Acho que até para evitar problemas em casa. Uma mãe não aguenta saber que um filho está indo para um ambiente hostil como o da guerra”.

Thalita do Valle durante trabalho voluntário — Foto: Reprodução/Tik Tok

Thalita do Valle durante trabalho voluntário — Foto: Reprodução/Tik Tok

Itamaraty

O Ministério das Relações Exteriores informou ao g1 nesta terça-feira (5) que recebeu, por meio da Embaixada do Brasil em Kiev, confirmação do falecimento de dois nacionais brasileiros em território ucraniano e disse manter contato com familiares para prestar a assistência.

Em nota, o Itamaraty destacou que “assim como tem feito desde o começo do conflito, continua a desaconselhar enfaticamente deslocamentos de brasileiros à Ucrânia, enquanto não houver condições de segurança suficientes no país”.

A família de Thalita ainda não sabe quando o corpo deverá chegar ao Brasil, mas informou que mantém contato com o Itamaraty e a Legião Estrangeira Ucraniana para as tratativas.

Compartilhe