Diário de São Paulo
Siga-nos
Crime

Dono de bar estupra menina de apenas 14 anos e tem final que merece

O crime teria acontecido na última sexta-feira (2)

O abusador tem 35 anos - Imagem: reprodução/Freepik
O abusador tem 35 anos - Imagem: reprodução/Freepik

Thais Bueno Publicado em 06/12/2022, às 18h32


O dono de um bar, de 35 anos de idade, cujo nome não foi divulgado, teria estuprado uma menina de apenas 14 anos no estabelecimento dele em Miraí, na Zona da Mata, localizada no estado de Minas Gerais.

Segundo informações da Polícia Militar, a mãe da adolescente relatou às autoridades que a filha tinha chegado em casa próximo ao horário das 23h00 do mesmo dia e chorava muito enquanto reclamava de dor nas partes íntimas.

Ainda conforme dito pela mulher de 42 anos, a garota contou tinha sido estuprada e que queria cometer suicídio. Em depoimento oficial aos militares, a mãe também explicou que a adolescente bebido álcool na própria casa, só que sem o consentimento dela. Em seguida, por volta do horário das 17h40, saiu sem avisar.

A menina afirmou para os militares que foi para o bar, comeu um lanche e apenas sentou na mesa com uma amiga da mãe. No momento seguinte, o proprietário do comércio a chamou para tomar uma água e deitar em um sofá para descansar, visto que ela estava embriagada.

A jovem aceitou e se viu sendo levada pelo homem para um local reservado. Lá, ela falou que ele tirou o pênis para fora e a obrigou a fazer sexo oral nele. Em seguida, ela afirmou que ele também a forçou a ter relações sexuais.

A garota também explicou que nunca havia feito sexo e que lembrava de ter pedido ao dono do bar que parasse.

Segundo a PM, a menina teria pontuado que não se lembra de como deixou o local e voltou para casa.

Conforme informações dos militares, o pai da menina também foi ouvido. Ele revelou que quando ficou sabendo do ocorrido, foi até o bar e falou com o homem e um outro rapaz, que teriam ficado surpresos com a acusação.

Em seguida, ele teria pedido para ver gravações das câmeras de segurança do local, mas foi informado que o equipamento não fazia filmagens.

No entanto, o dono do bar chegou a entregar um outro aparelho - que, no caso, não era era o que gravava. Ele retornou ao comércio e o agressor resolveu entregar o equipamento verdadeiro.

O pai, então, levou o aparelho até um técnico, que conseguiu acessar as imagens do abuso sexual relatado pela menina. O proprietário do bar foi preso na noite da última sexta-feira (2). Ele foi levado para a delegacia e permaneceu em silêncio.

O caso segue sob investigação das autoridades responsáveis.

Compartilhe  

últimas notícias