Diário de São Paulo
Siga-nos
Abuso

Anestesista preso por estupro é filho de ginecologista famoso

Giovanni é sócio do pai desde 2018 em uma clínica de exames de imagem em Vila Isabel, Rio de Janeiro

Giovanni é sócio do pai desde 2018 em uma clínica de exames de imagem em Vila Isabel, Rio de Janeiro - Imagem: reprodução Instagram @giovanniquintellabezerra
Giovanni é sócio do pai desde 2018 em uma clínica de exames de imagem em Vila Isabel, Rio de Janeiro - Imagem: reprodução Instagram @giovanniquintellabezerra

Publicado em 17/07/2022, às 16h49 Jessica Anjos


O pai do médico anestesista, Giovanni Quintella Bezerra, que foi preso após estuprar uma mulher grávida durante o parto, é um ginecologista obstetra conceituado no Rio de Janeiro. 

O crime aconteceu no Hospital da Mulher Heloneida Studart, em São João de Meriti, na Baixada Fluminense. Em conversa com site Universa, do UOL, um dos enfermeiros que trabalhavam com o médico disse que ele era muito atencioso no trabalho. 

Outro colega que se formou com Giovanni na UniFOA (Centro Universitário de Volta Redonda), comentou que nunca tinha ouvido nenhuma reclamação sobre o médico. 

A universidade soltou uma nota de repúdio a conduta do anestesista e disse que vem formando profissionais que exercem a profissão com responsabilidade há 54 anos. 

Desde 2018, Giovanni mantém sociedade com o pai em uma clínica de exames de imagem em Vila Isabel, zona norte do Rio. Seu par é especialista em videolaparoscopia e tem um consultório clínico na Barra da Tijuca. 

De acordo com sites de busca, os clientes sempre elogiaram o trabalho do médico. 

A mãe do anestesista, Andrea Quintella Bezerra é professora no curso de Administração da Universidade Estácio de Sá. 

Segundo o jornal O Globo, os pais de Giovanni têm ido até o apartamento do rapaz para retirar suas coisas, o dono do local viu o crime na mídia e pediu pela saída do rapaz o mais rápido possível. 

Além do caso no qual o jovem foi preso em flagrante, a Polícia do Rio de Janeiro também investiga mais de 30 possíveis casos de estupros de pacientes que o anestesista atendeu. 

Compartilhe