Diário de São Paulo
Siga-nos
Caso Richthofen

Filmes sobre o caso Richthofen ganham continuação: "O roteiro é incrível"

O terceiro filme mostrará o que aconteceu nos quatro anos entre o crime e o julgamento

O crime que inspirou os filmes aconteceu em 2002 - Imagem: reprodução Instagram @carladiaz / @_suzanevon
O crime que inspirou os filmes aconteceu em 2002 - Imagem: reprodução Instagram @carladiaz / @_suzanevon

Publicado em 19/07/2022, às 15h05 Vitória Tedeschi


A Menina que Matou os Pais e O Menino que Matou meus Pais, filmes baseados nos depoimentos de Suzane von Richthofen e Daniel Cravinhos sobre o crime que chocou o país em 2002, vão ganhar uma continuação.

Após o sucesso dos dois filmes, o terceiro longa que continuará contando a história em que Suzane e o namorado mataram os pais da menina já está em produção e completará a triologia. 

Carla Diaz, que interpreta a protagonista do filme, retorna ao papel principal e garante que o roteiro é ainda melhor que os dois anteriores. “Ainda não posso falar muito, mas digo com certeza que o roteiro é incrível, de uma forma que ninguém espera”, garantiu a atriz.

Para quem ainda não assistiu os primeiros:

A história se passa no ano de 2002 e acompanha o casal de namorados Suzane von Richthofen (Carla Diaz) e Daniel Cravinhos (Leonardo Bittencourt) declarando-se culpados pelo assassinato dos pais de Suzane.

Ao longo do julgamento deles, ambos deram versões diferentes sobre o crime que, à época, teve grande repercussão e gerou indignação da população. No filme A Menina que Matou os Pais a narrativa é baseada no olhar de Daniel Cravinhos a respeito do crime. Já em O Menino que Matou meus Pais, a narrativa é baseada no olhar de Suzane von Richthofen a respeito do crime.

Compartilhe