Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Política

Ministério da Economia regulamenta compra de passagem aérea em classe executiva para ministros e servidores

Publicado

em

Governo enviou 300 servidores para ajudar em buscas no Amazonas

O Ministério da Economia regulamentou a compra de passagens aéreas internacionais em classe executiva para ministros e servidores federais. A autorização para viagens em classe executiva foi dada em janeiro deste ano por meio de decreto do presidente Jair Bolsonaro, mas ainda faltava uma norma para regulamentar a mudança.

 

Antes do decreto de janeiro, a norma previa que esse tipo de viagem priorizasse a tarifa em classe econômica. Se a autoridade quisesse ir para a classe executiva, deveria pagar a diferença do próprio bolso.

A regulamentação da compra de passagem para classe executiva foi publicada no “Diário Oficial da União” desta quarta-feira (9), por meio de instrução normativa, e entra em vigor imediatamente.

A nova regra vale para voos internacionais com tempo de duração superior a sete horas para:

  • ministros de Estado
  • servidores ocupantes de cargo em comissão ou de função de confiança dos níveis descritos pelo governo federal como FCE-17, CCE-17 ou CCE-18
  • servidores que estejam substituindo ou representando autoridades

 

A instrução normativa que regulamenta a compra das passagens também determina que não pode ser comprometida a “estimativa e a disponibilidade orçamentária do órgão ou entidade para emissão de passagens aéreas”. Além disso, prevê que a “tarifa deve privilegiar o menor preço, prevalecendo, sempre que possível, a tarifa em classe econômica”.

Justificativa do governo para decreto

Ao justificar o decreto de janeiro, o governo informou que o objetivo era “mitigar o risco de restrições físicas e de impactos em saúde dos agentes públicos”. Afirmou também que o voo na classe executiva atenua “eventuais efeitos colaterais em face de déficit de ergonomia” que os ministros e servidores encontrariam na classe econômica.

Ainda segundo o governo, a medida buscava evitar que as autoridades tenham “suas capacidades laborativas afetadas”.

.

.

.

.

G1

mais lidas