Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Sem categoria

Pesquisadores brasileiros testam pele de tilápia contra queimaduras

Publicado

em

Pesquisadores brasileiros testam pele de tilápia contra queimaduras

Pele de peixe de água doce comum no país é utilizada como curativo biológico. Dos 30 participantes, 23 já concluíram tratamento com essa técnica.

Pesquisadores de três estados estão fazendo, em Fortaleza, testes com uma técnica inédita para o tratamento de queimaduras. Eles usam a pele de um peixe.

Parte do rosto e dois braços com queimaduras de segundo grau. O paciente que se recupera em um hospital de Fortaleza participa de um tratamento que, segundo os médicos, está sendo usado pela primeira vez no mundo.

Os pesquisadores utilizam a pele da tilápia, um peixe de água doce, comum no Brasil, como curativo biológico para tratar de queimaduras.

“A quantidade de colágeno tipo 1, que é importantíssimo para a cicatrização, além de estar em boa quantidade, é melhor alinhado, é melhor organizado do que na pele humana”, explica Edmar Maciel, coordenador da pesquisa.

O estudo, feito na Universidade Federal do Ceará há mais de dois anos, reúne pesquisadores do estado e de Pernambuco e de Goiás. Os primeiros testes com bons resultados foram com camundongos. Agora é a parte mais importante da pesquisa: o uso da pele de tilápia em pessoas com queimadura.

Os testes clínicos começaram há quatro meses e até agora incluíram 30 pacientes que deram entrada na unidade de queimados em Fortaleza. Desde o primeiro atendimento eles utilizaram a pele da tilápia no curativo das áreas queimadas. Vinte e três deles já concluíram o tratamento, segundo os pesquisadores, com menos dor e menos custos para o hospital.

“Isso vai reduzir o tempo de permanência dele dentro da unidade, vou dar um atendimento humanizado porque ele vai retornar rapidamente para sua famílial”, afirma João Neto, médico do núcleo de queimados.

O estudo deve ser concluído em 2018 com a participação de 100 voluntários. A Inez, que teve queimaduras em parte do corpo, gostou do resultado.

“Depois que ele colocou a pele não senti mais dor, é uma sensação muito boa, é uma recuperação rápida”, conta a garçonete.

mais lidas