Diário de São Paulo
Siga-nos
OLHO NA FICHA

Vice de Rodrigo admite que responde a mais de 100 inquéritos; foi citado em esquema de fraude em licitações

Geninho foi investigado por suspeita de envolvimento com a “Máfia do Asfalto”, esquema que teria movimentado mais de R$ 1 bilhão em licitações fraudulentas

Geninho é candidato a vice de Rodrigo - Imagem: reprodução Facebook @geninhozuliani
Geninho é candidato a vice de Rodrigo - Imagem: reprodução Facebook @geninhozuliani

Publicado em 05/08/2022, às 17h30 Jair Viana


O deputado federalGeninho Zuliani, 46 anos, escolhido para vice na chapa do governador Rodrigo Garcia (PSDB) ao Governo de São Paulo, responde a vários processos na Justiça, especialmente relacionado a improbidade administrativa e suposto envolvimento em esquema de licitações fraudulentas.

Outro problema que envolveu o nome de Geninho foi a chamada “Máfia do Asfalto”. O esquema, segundo a Polícia Federal (PF), teria movimentado mais de R$1 bilhão por meio de licitações fraudulentas.

Geninho teve dificuldade para sair da mira da PF, pois foi mencionado em diversos momentos, além de seu nome ter sido citado em diferentes conversas interceptadas por ordem judicial. O deputado precisou recorrer ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) para escapar da investigação.

Suas duas passagens pelo comando da Prefeitura de sua cidade natal, Olímpia (região metropolitana de São José do Rio Preto) também foram marcadas por denúncias de improbidade administrativa e acusações de fraude em licitações.

Um dos casos em que teve de se defender no Superior Tribunal de Justiça, envolvia a contratação de advogados que atuavam sem terem participado de concurso público. Tentou reverter a condenação no Superior Tribunal de Justiça, mas a sentença foi mantida.

O próprio deputado admite ter um grande número de inquéritos contra ele. Na época em que tentava escapar da investigação da “Máfia do Asfalto” havia dezenas de inquéritos abertos.

“São mais de 100 inquéritos policiais contra mim. A investigação está em trâmite há dois anos”, disse Geninho à Época que a PF está investigando.

Compartilhe