Diário de São Paulo
Siga-nos
Forças Armadas

Militares começam a analisar urnas eletrônicas nesta quarta; entenda

O trabalho, segundo o TSE, deverá ser plenamente técnico e durar um dia

O trabalho, segundo o TSE, deverá ser técnico e durar um dia - Imagem: Twitter @TSEjusbr
O trabalho, segundo o TSE, deverá ser técnico e durar um dia - Imagem: Twitter @TSEjusbr

Publicado em 03/08/2022, às 09h48 João Perossi


O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) autorizou a inspeção do código-fonte das urnas eletrônicas por técnicos contratados pelas Forças Armadasnessa quarta-feira (3). Segundo o TSE, a inspeção vai durar oito horas, das 10h às 18h.

A autorização foi dada após o ministro da Defesa, Paulo Sérgio Nogueira, eviar documento que classificava como "urgentíssimo" a fiscalização militar do dispositivo de contabilização dos votos. Conforme afirma o Tribunal, o acesso aos códigos-fonte das urnas foi aberto ano passado, 2021, e sete organizações já fizeram o requerimento para analisar o material.

“Solicito a Vossa Excelência a disponibilização dos códigos-fontes dos sistemas eleitorais, mais especificamente do Sistema de Apuração (SA), do Sistema de Votação (VOTA), do Sistema de Logs de aplicações SA e VOTA e do Sistema de Totalização (SisTot), que serão utilizados no processo eleitoral", escreve o ministério da Defesa em ofício enviado para o TSE.

O envio do documento ocorreu no mesmo dia em que o Tribunal Superior Eleitoral reuniu mais de 150 pessoas, incluindo militares, para oficializar os pedidos de monitoramento das eleições feitas pelas organizações, além de esclarecer informações sobre o processo eleitoral, como locais de contagem dos votos e métodos de auditoria.

Até agora já inspecionaram, estão inspecionando ou ainda irão inspecionar as organizações: Partido Verde (PV); Partido Liberal (PL); Patrido Trabalhista Brasileiro (PTB);Controladoria-Geral da União; Ministério Público Federal; Universidade Federal do Rio Grande do Sul; Senado Federal.

O minstério da Defesa, procurado pelo jornal O Globo, afirmou que o carimbo de "urgentíssimo" se deve pela proximidade do período eleitoral, já que o primeiro turno será disputado em 2 de outubro.

Compartilhe