Diário de São Paulo
Siga-nos
Extrema pobreza

Criança liga para polícia para pedir comida e desfecho é emocionante: ‘Estamos com fome!’

Oficiais ficaram sensibilizados com a situação

Célia Arquimino Barros ao lado de Miguel e dos demais filhos - Imagem: Reprodução/TV Globo
Célia Arquimino Barros ao lado de Miguel e dos demais filhos - Imagem: Reprodução/TV Globo

Publicado em 03/08/2022, às 17h00 Mateus Omena


Um menino de 11 anos ligou para o 190 e intrigou os oficiais de polícia ao pedir comida pois a família estava passando fome. O episódio aconteceu na noite de terça-feira (2) em Santa Luzia, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (MG).

A Polícia Militar (PM) alegou que o garoto chamado Miguel fez a ligação sozinho e explicou a grave dificuldade que ele estava passando junto com a mãe e os outros cinco irmãos.

“Minha mãe estava chorando no canto, eu pedi o telefone e fui lá e liguei”, disse a criança.

Em entrevista à TV Globo, Célia Arquimino Barros, de 46 anos, contou que está desempregada há muito tempo e sobrevive com alguns bicos.

“Eu vivo do auxílio emergencial e o pai manda R$ 250, mas não é todo mês que ele manda", explicou.

Em virtude da exígua renda, a mãe estava sem comprar alimentos há quase três semanas e sofria para conseguir recursos para manter os filhos.

"Eu só tinha fubá e farinha. Já tinha uns três dias que a gente estava assim. E que já tinha acabado as coisas, já tinham mais de 20 dias, mas ainda tinha um pouquinho de arroz, de algumas coisas. Mas há três dias só tinha farinha e fubá".

Célia afirmou que não sabia que Miguel tinha feito a ligação, mas ficou impressionada pela atitude do filho em pedir ajuda à polícia, com o propósito de proteger a família.

Chocada com o sofrimento da mãe e das crianças, uma guarnição do 35º Batalhão foi até a residência deles no bairro São Cosme, para constatar a situação de fragilidade. No primeiro momento, as autoridades suspeitavam que se tratava de um caso de maus-tratos, mas, ao conhecerem Miguel e sua família, concluíram que, na verdade, todos passam necessidade.

“A guarnição ficou bastante comovida ouvindo os relatos das crianças que há três dias eles estavam se alimentando apenas com água e fubá" , relatou o tenente Nilmar Moreira.

Os oficiais foram a um supermercado, fizeram compras e arrecadaram mais alimentos para doar à Célia e aos filhos.

A PM declarou que vai continuar ajudando a família e informou que quem puder contribuir com cestas básicas e outras doações pode entrar em contato com o Batalhão de PM.

Compartilhe