Diário de São Paulo
Siga-nos

Motoristas e cobradores aprovam greve de ônibus em São Paulo

Imagem Motoristas e cobradores aprovam greve de ônibus em São Paulo

Publicado em 29/06/2022, às 00h00 - Atualizado às 07h53 Redação


Motoristas e cobradores de ônibusdo transporte coletivo na capital paulista entrarão em greve, a partir da 0h desta quarta-feira (29). A paralisação deverá durar 24 horas, caso o setor patronal não se manifeste. A categoria também aprovou uma nova assembleia para amanhã, às 16h, para deliberar o plano de luta e ações.

A decisão foi tomada durante assembleia com mais de 6 mil trabalhadores, segundo o Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores em Transporte Rodoviário Urbano de São Paulo (Sindmotoristas), realizada na tarde desta terça (28), no bairro da Liberdade, onde fica a sede entidade.

De acordo com o sindicato, embora tenha sido garantido o reajuste salarial de 12,47% sobre os salários e vale-refeição, o setor patronal ignorou os outros itens da pauta de reivindicações da categoria, como a hora de almoço remunerada, participação nos lucros e resultados, adequação de nomenclaturas e plano de carreiras do setor de manutenção.

“Já se passaram dois meses das nossas negociações e os patrões mostraram-se intransigentes, pedindo prazos, paciência e protelando decisões. A categoria está estafada dessa enrolação”, destacou o presidente em exercício do sindicato, Valmir Santana da Paz, o Sorriso.

O Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Passageiros de São Paulo (SPUrbanuss) disse, em nota, que lamenta a paralisação e avaliou que ela traz “terríveis consequências para a mobilidade da população”.

“A entidade espera que os profissionais do setor de transporte coletivo não penalizem os passageiros, cumprindo a determinação da Justiça, adotada na paralisação de 14 de junho, de colocar em operação 80% da frota nos horários de pico”, diz a nota.

O SPUrbanuss informou, nesta noite, que enviou, no final da tarde correspondência à prefeitura, à Secretaria de Segurança Pública, à Secretaria Municipal de Segurança Urbana, à Guarda Civil Metropolitana e ao SPTrans pedindo reforço policial nas garagens e principais corredores de ônibus, “para garantir a operação da frota possível, com o objetivo de minimizar os efeitos da paralisação dos operadores”.

Agência Brasil
Compartilhe