Diário de São Paulo
Siga-nos

Médica dos EUA é investigada após fazer cirurgia de aborto em menina de 10 anos

O procurador-geral afirma que a situação 'foi causada por marxistas, socialistas'

Mulheres fazem protesto após decisão da Suprema Corte dos EUA de não reconhecer o direito ao aborto - Imagem: Michael A. McCoy
Mulheres fazem protesto após decisão da Suprema Corte dos EUA de não reconhecer o direito ao aborto - Imagem: Michael A. McCoy

Publicado em 15/07/2022, às 08h14 G1


Autoridades do estado de Indiana, nos Estados Unidos, estão investigando a ginecologista Caitlin Bernard, que realizou um aborto em uma menina de 10 anos que havia sido estuprada.

A menina foi estuprada em maio por um imigrante irregular guatemalteco que foi detido na terça-feira (12).

Aborto nos EUA: entenda o que era a decisão que garantia o direito, como foi derrubada e como fica acesso de agora em diante
Acesso ao aborto: após decisão contrária nos EUA, veja onde no mundo mulheres podem interromper a gravidez ou não

No início do mês, a doutora Bernard disse que recebeu a menina em Indianapolis após ser contatada por um colega do estado de Ohio.

EUA enfrentam disputas jurídicas após derrubada do aborto legal no país
Uma lei que proíbe o aborto após a sexta semana (nem mesmo em casos de estupro ou incesto) entrou em vigor em Ohio no mês passado, depois que a Suprema Corte revogou a proteção para o direito de interromper uma gravidez.

Já em Indiana, os abortos legais são permitidos até a 21ª semana de gravidez. Autoridades estatais, em sua maioria do Partido Republicano, se opõem ao direito ao aborto e consideram proibi-lo.

Procurador-geral de Indiana

O procurador-geral do estado, Todd Rokita, criticou Bernard na noite de quarta-feira, acusando-a de não relatar o caso às autoridades, conforme exigido pela lei.

"Temos essa ativista a favor do aborto atuando como médica com histórico de não notificar" os casos em que é obrigada a fazê-lo, disse Rokita ao canal Fox News.

Na entrevista, ele falou que a procuradoria está reunindo informações e provas e que tentará cassar a licença profissional da médica.

Caso chamou a atenção de Biden

O presidente Joe Biden, que é favorável ao direito ao aborto, citou este caso para criticar a decisão recente da Suprema Corte que não reconhece mais esse direito nos EUA. "Dez anos! Estuprada, grávida de seis semanas, traumatizada e agora obrigada a ir para outro estado", disse Biden, durante uma cerimônia na última sexta-feira.

Oposição ao direito ao aborto

Até que o suspeito fosse preso, a imprensa conservadora e autoridades de Ohio questionavam se a história era verdadeira.

Agora, opositores ao aborto acusam os defensores deste direito de usar a menina para promover sua causa e culpam a política migratória de Biden pela tragédia, uma vez que o agressor é um imigrante que entrou ilegalmente no país.

"Esta situação horrível foi causada por marxistas, socialistas e aqueles da Casa Branca que advogam por uma fronteira sem lei", afirmou Rokita.

Compartilhe