Diário de São Paulo
Siga-nos
Crime

Justiça toma decisão sobre agressor que deixou duas crianças desfiguradas em Ribeirão Preto

Um homem ainda não identificado é o único suspeito pelas agressões que desfiguraram os rostos de dois meninos, um de 4 e outra 7 anos

Um homem ainda não identificado é o único suspeito pelas agressões que desfiguraram os rostos de dois meninos, um de 4 e outra 7 anos - Imagem: reprodução G1 / EPTV
Um homem ainda não identificado é o único suspeito pelas agressões que desfiguraram os rostos de dois meninos, um de 4 e outra 7 anos - Imagem: reprodução G1 / EPTV

Publicado em 18/07/2022, às 17h40 Jair Viana


A polícia de Jardinópolis (região metropolitana de Ribeirão Preto) ainda não prendeu o padrasto acusado de agredir duas crianças, de 4 e 7 anos de idade, que ficaram os rostos desfigurados.

A suspeita é que ele tenha usado um chinelo e um fio para castigar os meninos. Depois das agressões ele fugiu. O agressor, segundo a Polícia, pode responder por dupla tentativa de homicídio, se ficar provado que sua intenção era matar as crianças.

“As famílias dos pais estão cuidando, passaram bem o final de semana, estão se recuperando. Já estão medicadas pelo médico que passaram na sexta-feira, e agora tem que sair os hematomas, o inchaço nos rostinhos”, disse Cláudia Camargo, conselheira responsável pelo acompanhamento do caso.

Em princípio, a Polícia registrou um boletim de ocorrência de lesão corporal. A configuração pode ser alterada, dependendo do que a Polícia concluir em relação á intenção do agressor. Se ele tentava matar as crianças, responderá por dupla tentativa de assassinato.

O caso foi registrado na sexta-feira (15) pela tia e pelo pai do garoto mais novo, de quatro anos. Eles também souberam que o irmão estava machucado.

Na delegacia, Caroline de Menezes Lima, mãe das crianças, contou que ao chegar em casa do trabalho na madrugada viu os ferimentos e levou as crianças ao Pronto Socorro. Os vizinhos relataram ter ouvido o barulho de quando o companheiro dela agredia as crianças, mas o rapaz não estava mais na residência.

Avó paterna do menino de 7 anos, Andrea Correa, denunciou que a nora costuma também costuma bater. Caroline investigada, segundo a polícia.

"Ela batia nele mesmo, porque às vezes ele aparecia na minha casa todo machucado. Eu perguntava para ele e ele falava que caía, mas ela batia nele", afirma Andrea.

Os familiares relatam que as crianças foram agredidas com chineladas no rosto e com fios. Na sexta, os dois irmãos foram levados ao pronto-socorro e fizeram exame de corpo de delito no Instituo Médico Legal (IML) de Ribeirão Preto.

De acordo com a Polícia Civil, a tipificação do registro do boletim pode mudar se for comprovado que o suspeito agiu com a intenção de matar as crianças.

O depoimento das crianças é aguardado para os próximos dias. Os dois irmãos terão a assistência de uma psicóloga.

Compartilhe