Diário de São Paulo
Siga-nos
Momento histórico

Em discurso, Papa Francisco se desculpa pela violência da igreja contra povos indígenas

Mais de 150.000 crianças indígenas foram vítimas dos abusos das escolas católicas de assimilação da cultura cristã no Canadá

Papa Francisco se desculpa pela violência da igreja contra povos indígenas do Canadá - imagem: reprodução Instagram @vaticannewspt
Papa Francisco se desculpa pela violência da igreja contra povos indígenas do Canadá - imagem: reprodução Instagram @vaticannewspt

Publicado em 25/07/2022, às 17h36 Fernanda Viana


O Papa Francisco viajou até o Canadá nesta segunda-feira (25) para pedir desculpa em nome da Igreja Católica pelos abusos cometidos contra indígenas.

Em meio a multidão, muitos usavam a cor laranja, símbolo da sobrevivência ao internato. A origem vem da história de uma menina que usava sua blusa laranja favorita, presente de sua avó, e a teve confiscada e trocada por um uniforme no internato religioso.

“Vim à sua terra para lhes contar pessoalmente a minha dor, implorar o perdão, a cura e a reconciliação de Deus, para expressar minha proximidade e rezar com vocês e por vocês”, disse o Papa Francisco.

O chefe Randy Ermineskin da Nação Ermineskin Cree, um dos anfitriões do evento,  recebeu o papa pessoalmente e fez um balanço da importância histórica do dia. 

“Meus familiares falecidos não estão mais aqui conosco, meus pais foram para a escola residencial, eu fui para a escola residencial”, disse ele à Associated Press, vestido com um tradicional cocar cree de penas. “Eu sei que eles estão comigo, eles estão ouvindo, eles estão assistindo.”

A presença do lider católico para o evento levantou sentimentos mistos pela comunidade indígena, como relata o chefe Greg Desjarlais da Frog Lake First Nation - um sobrevivente da escola -, no norte de Alberta.

As descobertas de centenas de potenciais cemitérios em antigas escolas no ano passado chamaram a atenção internacional para o legado das escolas no Canadá e suas contrapartes nos Estados Unidos.

Cerca de 150.000 crianças indígenas foram separadas de suas famílias e obrigadas a estudar nas escolas cristãs financiadas pelo governo em um esforço para isolá-las de suas culturas nativas e assimilá-las à sociedade cristã do Canadá.

Acredita-se que neste período mais de 150 mil crianças passaram por esses internatos, onde muitas foram vítimas de violência física e sexual e cerca de 5 mil morreram nos institutos que funcionaram do século 19 até a década de 1970.

Compartilhe