Diário de São Paulo
Siga-nos

Após cancelamento do carnaval de rua em SP, coletivos de blocos confirmam desfiles nos dias 16 e 17

Prefeitura de São Paulo decidiu cancelar o chamado Esquenta de Carnaval previsto para este fim de semana por falta de interessados em patrocinar a festa

Foliões se reúnem no Bloco Feminista durante carnaval de rua no centro da cidade de São Paulo, SP, nesta sexta feira, 22. - Imagem: Freepik
Foliões se reúnem no Bloco Feminista durante carnaval de rua no centro da cidade de São Paulo, SP, nesta sexta feira, 22. - Imagem: Freepik

Publicado em 15/07/2022, às 07h47 G1


Três coletivos de blocos de rua do carnaval paulistano divulgaram uma nota na tarde desta quinta-feira (14) em que criticam a decisão da Prefeitura de São Paulo de cancelar o Esquenta de Carnaval e dizem que alguns blocos manterão os desfiles neste fim de semana.

A prefeitura decidiu cancelar o carnaval de rua previsto para os dias 16 e 17 de julho por falta de interessados em patrocinar a festa mesmo após dois editais.

O Esquenta de Carnaval foi proposto como uma prévia para o carnaval de 2023, já que, oficialmente, a capital não teve a tradicional festa de rua. As datas foram escolhidas em abril. Em janeiro, o prefeito Ricardo Nunes (MDB) havia carnaval de rua devido ao avanço da pandemia de Covid-19.

De acordo com os coletivos, o carnaval de julho "foi uma tentativa velada da gestão municipal em coibir os cortejos carnavalescos livres e democráticos de abril", data na qual as escolas de samba desfilaram.

Eles afirmaram que a decisão não os surpreendeu e que "falta diálogo, confiança, coragem, sensibilidade e imaginação" à gestão municipal (leia a nota completa no final desta reportagem).
A nota foi assinada pelos coletivos Arrastão dos Blocos, Comissão Feminina do Carnaval de Rua e Fórum dos Blocos.

"O 'Esquenta de Carnaval', como ficou conhecido o CarnaJulho, agora cancelado, entra para a longa lista de demonstrações de descaso com o setor do carnaval de rua demonstrados pela Secretaria Municipal de Cultura. Mesmo assim, reiteramos que quem cancela o Carnaval não é a ausência de empresa patrocinadora. O Carnaval se faz no momento que pessoas se reúnem na rua pública para brincar, batucar, cantar e serem felizes. Blocos em arranjos diversos vão sair em julho, nos dias 16 e 17, exercendo seu direito legitimo de manifestação cultural garantido pela Constituição."
Os coletivos de blocos afirmaram ainda que souberam do cancelamento da festividade pela imprensa e que o cancelamento causou transtorno aos blocos que já estavam na preparação e contratação de fornecedores.

Além disso, eles reclamam do Guia de Regras do carnaval fora de época "com riscos imensos de penalizações, inclusive de proibição (inconstitucional) de desfile no carnaval de 2023" e pedem mais diálogo com a prefeitura.

"Exigimos diálogo real, porque é somente com este que a confiança poderá ser reestabelecida. O tempo é urgente, os desafios são enormes. No entanto, o Carnaval de rua da cidade de São Paulo é imenso, não só na sua grandeza de números, mas no que realmente importa, na diversidade de pessoas, de sabedorias, de brincadeiras, de ritmos, de afetos e na pluralidade de sua imaginação. Este é nosso maior legado e maior trunfo. Cabe à gestão pública, à Secretaria Municipal de Cultura, o mínimo: construir a política pública de maneira democrática, respeitando a pluralidade do carnaval de rua."

Em nota, a prefeitura reafirmou que o cancelamento do Esquenta Carnaval 2022 se deu por falta de patrocínio. "A iniciativa veio para atender a um pedido da sociedade para a realização de um carnaval fora de época, após o cancelamento do Carnaval de Rua devido à pandemia. O planejamento contou com diversas reuniões com representantes de blocos carnavalescos, com o intuito de chegar a um modelo viável, em curto espaço de tempo, para atender ao desejo da população de celebrar uma das mais importantes festas populares da cultura brasileira neste momento de retomada de grandes eventos", afirma.

O comunicado diz ainda que a secretaria "compreende o exercício da livre manifestação popular e o carnaval de rua". "E que, através de diálogo com os representantes de blocos, estará organizando o Carnaval 2023. Será formada uma comissão representativa com os blocos de rua para que, no próximo ano, o evento seja o maior e melhor Carnaval de Rua da história."

Compartilhe