Diário de São Paulo
Siga-nos

Tite não gosta de gol, só pode ser...

Tite não gosta de gol, só pode ser. - Imagem: Divulgação
Tite não gosta de gol, só pode ser. - Imagem: Divulgação

Publicado em 01/08/2022, às 08h48 - Atualizado às 08h48 Renato Nalesso


Tem muito corintiano que reputa ao Tite o status de melhor técnico da história do Timão. Pra falar a verdade eu também acho. Tem muita gente também que valoriza demais seu trabalho na Seleção Brasileira. Afinal completou as Eliminatórias da Copa do Mundocom a melhor campanha da história da competição. Foi campeão da Copa América com ótimos números! Mas vamos ser sinceros? Poderia ser bem melhor. Tenho minhas severas críticas com o trabalho que ele vem executando ali dentro. Como pode, por exemplo, colocar como capitão um lateral de quase 40 anos e que mal vem jogando recentemente? Cadê aquela história de que 'Seleção são os melhores'?

Ainda assim o que mais me irrita nesse projeto do Catar é a ausência de jogadores artilheiros em detrimento a nomes questionáveis (para não dizer 'negociáveis'). Veja só, Tite tem dado constantes oportunidades para caras como Gabriel Martinelli e Raphinha. Isso sem contar o Gabriel Jesus, que mesmo com números questionáveis, tem uma baita cadeira cativa ali no grupo do treinador. Mas como ignorar artilheiros como Gabigol e Pedro? Por que vejo pouco ambos vestindo a camisa verde-amarela? Teria alguma interferência externa por aí? Vale lembrar que a dupla de ataque do Flamengo já tem até aqui quase 40 gols em 2022. Parece até piada eles não serem convocados.

A verdade dos fatos é que eles serão sim ignorados e a tendência é que o treinador da CBF 'morra' com suas convicções assim como aconteceu no último Mundial. Só pensa em convocar os amiguinhos e tem uma dificuldade tremenda para mudanças. Isso só acabará com o título do Hexa. Agora que ele muitas vezes parece ser contra a 'arte' de fazer gols, isso eu não tenho dúvidas.

Depois é fácil falar

Leila Pereira
Leila Pereira

Após negociar os direitos federativos do atacante Gabriel Verón a preço de banana, a presidenta do Palmeiras, Leila Pereira, veio a público explicar o aparente negócio bem sucedido. Disse que o clube até que pegou um bom valor pelo atleta (pouco mais de R$ 10 milhões por 90% do jogador) sendo que ele tinha problemas externos atrapalhando sua evolução esportiva. Particularmente achei péssimo ela dar uma declaração como essa porque desvaloriza o menino e parece desdém com o 'prato que já comeu'. Ao contrário dela eu vejo esse menino com um baita potencial. Daqui uns dois anos será vendido do Porto para o Real Madrid por uns 50 milhões de Euros. Aí não adianta chorar pelo leite derramado.    

Compartilhe