Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Política

Jurista diz que Edinho acerta ao vetar “lei do barulho”

Publicado

em

Jurista diz que Edinho acerta ao vetar “lei do barulho”

Para o jurista Caio Leonardo, a lei foge do princípio da isonomia. Ele defende que é preciso respeitar o princípio da igualdade. Leonardo entende que se as igrejas
podem ficar isentas da fiscalização, ainda que por um tempo determinado

Para o jurista Caio  Leonardo, de Brasília, o prefeito Edinho Araújo (MDB) agiu corretamente ao vetar a lei que permite que igrejas possam modular o som sem fiscalização da Prefeitura. A lei foi aprovada recentemente e vetada durante o recesso parlamentar. O vereador Jean Dornelas (PRB), autor do texto, inconformado  com o veto, promete reunir pastores e padres para pressionar vereadores a derrubar o veto.

Na justificativa para vetar, o prefeito argumenta que a Lei Orgânica, em seu artigo 8º restringe ao poder Executivo o direito de alterar qualquer legislação que trata do assunto. Edinho afirma que sua decisão passou antes pela analise das secretarias do Meio Ambiente e de Governo, além da Procuradoria Geral do Município (PGM).

Um dos argumentos mais fortes usados pelo prefeito trata de normas nacionais e internacionais sobre poluição sonora. “Vale dizer que, as disposições pertinentes obedecem ao regramento dado por órgãos nacionais e internacionais relativamente aos níveis de ruído incômodos ao ser humano, não sendo norma de competência municipal aquela que estabelecerá isenção a essa fiscalização, fato que ofende, não só o regramento nacional sobre o tema, contido na norma NBR 10.151:2000, mas também eventuais balizas determinadas pela OMS – Organização Mundial da Saúde”

Para o jurista Caio Leonardo, a lei foge do princípio da isonomia. Ele defende que é preciso respeitar o princípio da igualdade. Leonardo entende que se as igrejas podem ficar isentas da fiscalização, ainda que por um tempo determinado, outros estabelecimentos também deveriam ser incluídos na proposta.

Analisando a lei e o veto, Caio Leonardo e taxativo: ““O veto está bem fundamentado. O prefeito agiu corretamente. O Legislativo não pode usurpar atribuição do Executivo, criar privilégios em quebra do princípio da isonomia, nem permitir que a lei facilite a prevaricação.”, disse.

A isenção da fiscalização, segundo os termos da lei aprovada, a igreja para ser fiscalizada teria de ser avisada com antecedência para indicação de um representante da igreja. “Avisar o pastor com antecedência que a fiscalização está indo à igreja é ridicularizar a Administração Pública.”, sentencia o jurista.

CONSELHO DEFENDE – O Conselho de Pastores se posicionou a favor do veto da lei. O presidente da entidade, Rodrigo Medina, mesmo defendendo a lei aprovada, entende que o veto está amparado legalmente. “Sobre o veto, se existe uma lei federal que norteia isso, obviamente que uma lei municipal não se sobrepõe”, disse medina.

mais lidas