Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Dia a Dia

Canal no YouTube de pastor acusado de golpes é retirado do ar

Publicado

em

Governo enviou 300 servidores para ajudar em buscas no Amazonas

O canal no YouTube do pastor Osório José Lopes, acusado de aplicar golpes em fiéis de Goianésia, no centro de Goiás, foi retirado do ar. A mudança foi constatada após um pedido do Ministério Público de São Paulo (MP-SP), que apura o caso. Segundo o órgão, o perfil chamava novas pessoas para serem vítimas do golpe, por isso deveria ser extinto.

 

Osório é réu pelo crime de estelionato em Goiás. Segundo as investigações, ele e outro pastor alegavam que haviam ganhado um título de R$ 1 bilhão, mas precisavam reunir fundos para conseguir recebê-lo.

O pastor foi preso em 2018 acusado de obter R$ 15 milhões aplicando golpes. Quando deixou a prisão, se mudou para São Paulo, segundo delegado responsável pelas investigações.

Denúncia

 

O Fantástico mostrou, no último dia 13 de março, as histórias das vítimas do pastor que foi denunciado pelo Ministério Público de São Paulo pelo crime de estelionato. Osório não quis gravar entrevista, mas publicou um vídeo na internet se posicionado:

“Não tenho vergonha de dizer que lá atrás eu fiz coisas erradas. Erradas porque não tive orientação jurídica. Estamos entrando com recursos para provar que somos inocentes. Eu nunca neguei que tenho as minhas dívidas e tenho os meus combinados, que não foram ainda cumpridos mas espera de ser cumpridos, muito breve”, falou o pastor.

O investigado fala que tem dinheiro no “Tesouro Mundial” e quer repartir, mas para isso, pede ajuda financeira dos fiéis. Apesar de se apresentar como pastor, ele não é ligado a uma igreja.

Pastor Osório José Lopes, suspeito de aplicar golpe em aposentado de Goiânia, Goiás — Foto: Reprodução/YouTube

Pastor Osório José Lopes, suspeito de aplicar golpe em aposentado de Goiânia, Goiás — Foto: Reprodução/YouTube

.

.

.

.

.

.

G1

mais lidas