Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Sem categoria

Urnas são abertas na Venezuela para eleição presidencial

Publicado

em

Urnas são abertas na Venezuela para eleição presidencial

Em crise econômica e social, Venezuela vai às urnas neste domingo com Maduro como favorito à reeleição. Falta de adversários de peso e abstenção devem favorecer atual presidente.

Urnas em 14,5 mil centros de votação foram abertas na manhã deste domingo (20) para a eleição presidencial na Venezuela. Embora 20,5 milhões de pessoas estejam aptas a votar, a abstenção deve favorecer a reeleição de Nicolás Maduro para mais 6 anos de mandato. Além disso, a ausência de adversários de peso também deve contribuir para a vitória do presidente.

As urnas na capital Caracas e em outras cidades venezuelanas foram abertas às 6h (7h, no Brasil), mas o pleito começou antes para cidadãos venezuelanos residentes no exterior, em países como Áustrália, China, Índia e Malásia, devido à diferença de fuso horário.

A fronteira com o Brasil foi fechada neste sábado, para “resguardar a soberania territorial” da Venezuela e para que as Forças Armadas controlem todo território nacional, segundo explicou o cônsul-adjunto da Venezuela em Roraima, José Martí Uriana. A medida fez com que venezuelanos procurassem rotas clandestinas para comprar mantimentos no Brasil.

Meia hora antes da abertura das urnas, Nicolás Maduro convocou pelo Twitter os venezualanos a votarem nas eleições. “Começando um ótimo dia. Diana Carabobo toca em todos os cantos desta terra. Hoje é dia de festa, temos um encontro com a história!”, escreveu, citando um hino chavista usado durante a sua campanha.

O presidente chegou para votar pouco antes das 6h ao colégio Miguel Antonio Caro, em Caracas, ao lado da esposa, Cilia Flores, e de vários colaboradores. “Fui o primeiro votante da pátria (…) sempre em primeiro nas batalhas pela nossa soberania, pelo direito à paz”, declarou o líder chavista em entrevista coletiva depois de emitir seu voto.

A eleição presidencial na Venezuela ocorre em meio à falta de reconhecimento da comunidade internacional, ao boicote pela maioria da oposição e sob forte suspeita de manipulação governamental.

E, apesar de contar com um índice de rejeição de mais de 75%, o presidente Nicolás Maduro não deve enfrentar grandes dificuldades para se reeleger e continuar no cargo que ocupa desde 2013, após a morte de Hugo Chávez.

Isso se deve principalmente à ausência de competidores de grande peso político e à previsão de uma grande abstenção eleitoral. Segundo pesquisa da Atlantic Council divulgada em 5 de abril, quase a metade dos venezuelanos avalia não votar nas eleições presidenciais – o voto não é obrigatório no país.

A eleição presidencial estava inicialmente prevista para o fim deste ano, mas em 23 de janeiro a Assembleia Nacional Constituinte anunciou que ela seria antecipada para uma data anterior a 30 de abril, depois fixada em 22 de abril. Mais tarde, porém, houve um adiamento para a segunda quinzena de maio.

Boicote e outros candidatos

Assim que as eleições foram anunciadas, a oposição avisou que iria boicotar o pleito. “Não contem com a Mesa da Unidade Democrática nem com o povo para aprovar o que, até agora, é apenas um simulacro fraudulento e ilegítimo de eleição presidencial”, afirmou o coordenador político da MUD, Ángel Oropeza, em entrevista coletiva em 21 de fevereiro.

Nicolás Maduro, Henri Falcon e Javier Bertucci, os três principais candidatos à presidência da Venezuela (Foto: Reuters/Carlos Garcia Rawlins/File Photos)

Nicolás Maduro, Henri Falcon e Javier Bertucci, os três principais candidatos à presidência da Venezuela (Foto: Reuters/Carlos Garcia Rawlins/File Photos)

De qualquer forma, os dois maiores rivais de oposição de Maduro estariam impedidos de concorrer ao cargo: Leopoldo Lopez está em prisão domiciliar e Henrique Capriles está impedido de se candidatar a qualquer cargo por um período de 15 anos por conta de acusações de má conduta quando era governador.

No entanto, o oposicionista Henri Falcón furou o boicote e decidiu se candidatar. Falcón, militar da reserva e dissidente chavista de 56 anos, é o candidato do Movimento ao Socialismo (MAS, esquerda).

Consideramos que é imprescindível participar. Em um país onde o regime tem 80% de rejeição, é possível vencer, apesar das armadilhas e dos obstáculos”, declarou. Segundo Meléndez, presidente do MAS, em 26 de fevereiro, ao anunciar a candidatura.

Falcón, advogado, ex-prefeito e governador do estado de Lara entre 2008 e 2017, foi ligado ao movimento que levou Hugo Chávez ao poder em 1999, mas rompeu com o “chavismo” em 2010 mediante uma carta aberta na qual denunciou ter sido alijado por denunciar os erros da chamada “revolução bolivariana”.

Mulher carrega um cartaz com a mensagem ‘Não à fraude eleitoral com um Conselho Eleitoral Nacional viciado. Não vote’ durante protesto contra as eleições presidenciais em Caracas, na Venezuela, na quarta-feira (16) (Foto: AP Photo/Ariana Cubillos)

Mulher carrega um cartaz com a mensagem ‘Não à fraude eleitoral com um Conselho Eleitoral Nacional viciado. Não vote’ durante protesto contra as eleições presidenciais em Caracas, na Venezuela, na quarta-feira (16) (Foto: AP Photo/Ariana Cubillos)

Além de Falcón, apresentaram candidaturas à presidência o pastor evangélico Javier Bertucci e o engenheiro Reinaldo Quijada.

Campanha

Apesar de tudo, Maduro cumpriu uma intensa agenda de campanha eleitoral e foi cauteloso quanto a um discurso de vitória certa antes da hora.

Mesmo com a grave crise econômica e política do país, o presidente participou de animados comícios diariamente, nos quais prometeu “uma revolução na economia”, cantou e dançou ao lado de artistas populares na Venezuela e até do ex-jogador argentino Diego Maradona.

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, realiza evento de campanha acompanhado de sua mulher, Cilia Flores, e do ícone argentino do futebol Diego Maradona em Caracas (Foto: Carlos Garcia Rawlins/Reuters)

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, realiza evento de campanha acompanhado de sua mulher, Cilia Flores, e do ícone argentino do futebol Diego Maradona em Caracas (Foto: Carlos Garcia Rawlins/Reuters)

Maduro confirmou oficialmente sua candidatura à reeleição em 27 de fevereiro. Naquele dia, com funcionários de sua confiança, visitou o túmulo do líder socialista Hugo Chávez (1999-2013), antes de se encaminhar para a sede do Conselho Nacional Eleitoral (CNE) para entregar os documentos de inscrição.

“Este é o plano da pátria 2025, que é o aprofundamento do caminho e o legado de nosso amado comandante Hugo Chávez (…) na direção da prosperidade econômica”, declarou na ocasião.

Legitimidade

Países como Chile, Argentina e Espanha já afirmaram que não irão reconhecer as eleições presidenciais venezuelanas, além da União Europeia.

Mesmo poucos dias antes da votação, continuaram os pedidos de suspensão da eleição. Em 7 de maio, o vice-presidente dos EUA, Mike Pence, falou sobre o assunto em uma sessão protocolar especial do Conselho Permanente da Organização dos Estados Americanos (OEA), em Washington.

“Urgimos (ao presidente Nicolás) Maduro e a seu governo que suspenda essa fraude de eleições e organize eleições reais”, disse. “Será uma eleição falsa com um resultado falso”, apontou.

Uma semana depois, no dia 14, o Grupo de Lima, do qual fazem parte 14 países – inclusive o Brasil – fez “um último apelo ao governo venezuelano para suspender as eleições gerais previstas para o próximo 20 de maio”, disse o chanceler mexicano, Luis Videgaray, durante coletiva de imprensa celebrada após reunião do grupo na Cidade do México.

Em abril, o Grupo de Lima já havia lançado uma declaração conjunta, na qual exigia na Venezuela “eleições presidenciais com as garantias necessárias para um processo livre, justo, transparente e democrático, sem presos políticos, que inclua a participação de todos os atores políticos venezuelanos, e ratificam que eleições que não cumpram com essas condições não terão legitimidade e credibilidade”.

Eleição na Venezuela ocorre sem participação de oposição   (Foto: Alexandre Mauro/Infografista/G1)

Eleição na Venezuela ocorre sem participação de oposição (Foto: Alexandre Mauro/Infografista/G1)

Observadores internacionais

Para tentar dar maior ar de legitimidade, a autoridade eleitoral venezuelana convidou a União Europeia (UE) para participar como observadora nas eleições presidenciais.

A pedido dos principais candidatos – o presidente Nicolás Maduro e o opositor Henri Falcón -, em 19 de fevereiro o CNE também solicitou ao secretário-geral da ONU, António Guterres, que enviasse observadores para as eleições.

“Estamos esperando a resposta das Nações Unidas, que já declarou que não pode vir porque não faz parte de seus procedimentos”, assinalou a funcionária, referindo-se à falta de uma resposta formal da ONU.

A oposição, além de boicotar as eleições, pediu que a ONU não participe do processo, para evitar legitimar uma eleição que diz ser manipulada.

No sábado (20), Maduro pediu capacidade de entendimento após as eleições para os Estados Unidos e União Europeia.

“Eu peço, não somente da UE, mas também dos EUA, uma capacidade de diálogo, de entendimento. Quero que escutem a voz e a verdade da Venezuela”, disse, segundo a agência Efe.

“Tomara que a UE tenha os olhos bem abertos para ver a verdade da Venezuela e abandone a intolerância ideológica contra a revolução bolivariana, que é uma revolução democrática”, afirmou.

mais lidas