Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Colunistas

Sobre adversários, aliados, casamentos e conselhos de Ulysses Guimarães

Publicado

em

Governo enviou 300 servidores para ajudar em buscas no Amazonas

Por Kleber Carrilho

 

Sobre adversários, aliados, casamentos e conselhos de Ulysses Guimarães 

Nesta semana, Lula se casou com a socióloga Rosângela da Silva. E uma das imagens mais importantes do evento, feita pelo fotógrafo oficial do ex-presidente, é a que tem os noivos com o casal Alckmin. Geraldo e Maria Lúcia estão lá, sorridentes, festejando a união.

Esta é uma grande imagem porque fala de política, que é exatamente a arte de juntar gente e administrar demandas. Afinal, se a imagem apresenta dois antigos adversários juntos, que inclusive disputaram a Presidência da República no segundo turno de 2006, ela mostra que eles nunca foram inimigos. E aí está algo a ser observado: a diferença entre adversário e inimigo.

Porque assim é a vida política: adversários podem se tornar aliados, e vice-versa. Porém, para que isso ocorra, todos devem pensar que política é só política. Não dá para colocar na frente paixões intransponíveis, diferenças irreconciliáveis, ameaças à vida ou à dignidade. Ou seja, na política, não dá para ter inimigos.

Como dizia o grande Ulysses Guimarães, na política, em geral, e especialmente no poder, se você não pode fazer um amigo, não faça um inimigo. O inimigo guarda o ódio na geladeira. O inimigo, numa eleição, amanhece na boca da urna dizendo que a mãe do candidato não é honesta.
Também segundo ele, em política, nunca se deve proferir palavras irreparáveis, irretratáveis. E, para isso, recordava um conselho do presidente argentino Juan Domingo Perón: “Em política, fale muito sobre coisas, pouco sobre pessoas e nunca sobre você”.
Quer mais uma do velho Ulysses? Você nunca deve estar tão próximo de alguém que amanhã não possa ser adversário. E nem tão distante que amanhã fique em dificuldade por ter que virar amigo.

Infelizmente, a vida política brasileira, nos últimos anos, foi invadida por gente que não conheceu Ulysses Guimarães, nem tem capacidade de ler sobre política. Não sabe o que é o embate, a argumentação, o arrefecimento pós-eleitoral. Gente que acha que tem que apontar o dedo o tempo todo, que não vê a mínima possibilidade de que, passada a disputa sobre um tema ou uma ideia, todos possam sentar-se à mesma mesa.

Então, mesmo que tenhamos (como eu tenho) críticas a Geraldo Alckmin e a Lula, este movimento entre os dois lembra que ainda é possível fazer política no Brasil, que as paixões que cegam devem ser colocadas de lado. Afinal, apesar das diferenças, eles também podem ser parecidos. A origem, o ambiente político e a formação partidária podem ter sido diferentes, mas as crenças sempre foram muito próximas.

É hora de decidir entre a política que junta e a que espalha. E tenho a tendência a acreditar que, no longo prazo, a que junta vai sair vencedora. Isso porque, da mesma forma que, ao chegar pela primeira vez na Presidência, Lula teve como vice e fiador José Alencar, empresário que foi um dos fundadores do Republicanos, partido que se posiciona claramente como conservador, vai ser nessa aliança à direita que a possibilidade de sucesso eleitoral dele volta a existir.

Kleber Carrilho é professor, analista político e doutor em Comunicação Social
Instagram: @KleberCarrilho
Facebook.com/KleberCarrilho

mais lidas