Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Sem categoria

Peruanos foram às urnas após dissolução do parlamento

Publicado

em

Peruanos foram às urnas após dissolução do parlamento

Fujimorismo perdeu maioria no Congresso

Os peruanos foram às ruas ontem (26) para eleger novos membros para o Congresso, após o presidente Martín Vizcarra ter dissolvido o parlamento, em setembro do ano passado.

As pesquisas de boca de urna mostram um Congresso composto por dez partidos, todos com mais de 5% de votos, requisito para a eleição.

Cerca de 25 milhões de cidadãos votaram para escolher 130 novos parlamentares entre os mais de 2 mil candidatos, de 21 partidos políticos.

No Peru, a cada cinco anos, os cidadãos votam para definir parlamentares e presidente. No entanto, dessa vez foi diferente.

A votação foi apenas para o Congresso. Isso porque os parlamentares que foram escolhidos terão mandatos-tampão, de apenas 1 ano e seis meses, até o fim do atual mandato. As próximas eleições gerais vão ocorrer em abril de 2021 e a posse, em julho.

Os três partidos que receberam mais votos, de acordo com a sondagem feita pelo instituto Ipsos e pelo canal América TV são a Ação Popular (11,8%), Aliança para o Progresso (8,8%) e Partido Morado (8,1%). A margem de erro da pesquisa é de 1 ponto percentual para mais ou para menos.

Além desses três partidos, devem ter representação no Congresso os seguintes: Podemos Peru, com 7.4 % dos votos; Força Popular, 7.1 %; Somos Peru, 7.0 %; Frente Popular Agrícola do Peru (Frepap), 7.0 %; União pelo Peru, 6.2 %; Frente Ampla, 6.2 %; e Juntos pelo Peru, 5.0 %.

O partido do fujimorismo, Força Popular, deve ficar com cerca de 7% dos votos e apenas 12 assentos. Em 2016, o Força Popular havia conquistado 36,3% dos votos e 73 assentos.

Dissolução do Congresso

No dia 30 de setembro do ano passado, o presidente do Peru, Martín Vizcarra, anunciou a dissolução do Congresso, após o legislativo negar um pedido de voto de confiança para mudar o sistema de indicações de magistrados para a Suprema Corte do país. Vizcarra já havia ameaçado dissolver o Congresso, caso o Legislativo não discutisse a necessidade de reformar os critérios para ingresso na Suprema Corte.

A intenção de Vizcarra era evitar a nomeação de juízes ligados à oposição fujimorista, que tinha maioria no Congresso, com aliados de direita e extrema-direita.

O estopim da crise ocorreu quando o Congresso, ignorando a moção de confiança (ou voto de confiança) anunciada pelo presidente, realizou uma votação atribulada em que elegeu um magistrado para a Corte Suprema, não discutindo primeiramente o voto de confiança. Vizcarra, então, anunciou a dissolução do Parlamento.

Uma semana antes, a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) havia denunciado as “eleições relâmpago” do Congresso para mudar a configuração da Suprema Corte, em um momento em que o tribunal analisava casos de políticos e ex-presidentes investigados por corrupção e lavagem de dinheiro, citados na operação Lava-Jato.

 

 

 

 

 

 

EBC

mais lidas