Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Dia a Dia

O que são corredores humanitários?

Publicado

em

Governo enviou 300 servidores para ajudar em buscas no Amazonas

Nos últimos dias, um termo tem sido bastante visto no noticiário internacional: corredores humanitários. Tentativas de cessar-fogo entre Rússia e Ucrânia querem permitir que eles sejam abertos para a evacuação de civis e para o fornecimento de suprimentos a regiões ucranianas sitiadas por tropas russas.

 

 

As Nações Unidas consideram os corredores humanitários uma das várias formas possíveis de uma pausa temporária em um conflito armado. São zonas desmilitarizadas, em uma área específica e por um tempo específico – e todos os lados de um conflito armado concordam com elas.

 

Por esses corredores, civis podem ser evacuados ou alimentos e ajuda médica podem ser levados para áreas de conflito.

Os corredores são necessários quando as cidades estão sitiadas e a população está sem suprimentos básicos de alimentos, eletricidade e água.

Nos casos em que uma catástrofe humanitária ocorre porque o direito internacional da guerra está sendo violado – por exemplo, por meio de bombardeios em larga escala a alvos civis – os corredores humanitários podem fornecer alívio crucial.

Quem os configura?

 

Na maioria dos casos, os corredores humanitários são negociados pela Organização das Nações Unidas (ONU). Às vezes, eles também são criados por grupos locais. Como todos os lados precisam concordar em estabelecer os corredores, existe o risco de abuso militar ou político. Por exemplo, eles podem ser usados ​​para contrabandear armas e combustível para cidades sitiadas.

Por outro lado, eles também podem ser usados ​​por observadores da ONU, por ONGs e por jornalistas para obter acesso a áreas contestadas onde crimes de guerra estão sendo cometidos.

Que corredores foram estabelecidos na Ucrânia?

 

No leste da Ucrânia, um cessar-fogo de cinco horas deveria ter vigorado no sábado (05/03) para permitir a saída de cerca de 200.000 pessoas de Mariupol e 15.000 moradores da cidade de Volnovakha.

Mas a iniciativa falhou depois de algumas horas. A administração da cidade de Mariupol disse que a evacuação foi “adiada por razões de segurança” porque as tropas russas continuaram a bombardear a cidade e seus arredores.

De acordo com a agência de notícias Reuters, a Rússia, no entanto, disse que os corredores montados perto de Mariupol e Volnovakha não foram usados. A agência de notícias russa RIA disse que “nacionalistas” impediram que os civis escapassem e que as tropas russas também foram atacadas durante o cessar-fogo. Uma nova tentativa neste domingo também fracassou.

A Ucrânia também disse que na cidade portuária de Kherson, a Rússia não cumpriu a promessa de um corredor e que 19 veículos com ajuda humanitária não foram autorizados a passar.

Em vez disso, os próprios russos planejavam enviar apoio de alto nível à população civil, disse o prefeito de Kherson, Igor Kolykhaiev, em um post no Facebook. “Primeiro eles levaram a situação a um estado crítico e depois nos resgataram para que possamos agradecer ao nosso ‘benfeitor’ para as câmeras”, escreveu.

Quem tem acesso?

 

O acesso aos corredores humanitários é determinado pelas partes em conflito. Geralmente, é limitado a atores neutros, a ONU ou organizações de ajuda como a Cruz Vermelha. Eles também determinam o tempo, a área e quais meios de transporte – caminhões, ônibus ou aviões – podem usar o corredor.

Em casos raros, os corredores humanitários são organizados apenas por uma das partes em conflito. Isso aconteceu com o transporte aéreo americano após o bloqueio de Berlim pela União Soviética, entre 1948 e 1949.

Onde mais eles foram usados?

 

Corredores humanitários foram criados desde meados do século 20. Por exemplo, durante o chamado “Kindertransport”, de 1938 a 1939, crianças judias foram evacuadas para o Reino Unido de áreas sob controle nazista.

Corredores humanitários também foram criados durante o cerco a Sarajevo, na Bósnia, entre 1992 e 1995, e para a evacuação da cidade de Ghouta, na Síria, em 2018.

No entanto, há muitas guerras e conflitos em que os apelos por corredores civis ou uma pausa nos combates foram feitos em vão. Na guerra em curso no Iêmen, por exemplo, a ONU até agora falhou em suas negociações.

.

.

.

.

Agência Brasil

mais lidas