Diário de São Paulo
Siga-nos

Foto de “Bebê mascarado” em voo viraliza e gera polêmica; entenda os riscos

Imagem Foto de “Bebê mascarado” em voo viraliza e gera polêmica; entenda os riscos

Publicado em 05/07/2022, às 00h00 - Atualizado às 23h12 Redação


A imagem de um “bebê mascarado” nos braços de um de seus pais, em um voo da Air New Zealand, viralizou nesta terça-feira (5). A foto que surgiu no Reddit foi postada também no Instagram, depois no Twitter e passou a ser notícia nos principais sites do mundo. 

O que mais chamou a atenção dos internautas foi a maneira como a máscara estava sendo usada: cobrindo mais da metade do rosto da criança, apenas com dois pequenos orifícios para os olhos. 

A foto que, divertiu muitas pessoas que a acharam cômica. Por outro lado, foi motivo de preocupação e comentários sobre como aquilo poderia ser perigoso para o bebê. Afinal, a orientação dos pediatras, e também da Organização Mundial da Saúde (OMS), é para que bebês e crianças de até 2 anos não usem máscara facial pelo risco de asfixia e outras complicações.

O fotógrafo que capturou o momento durante um voo de Auckland para Wellington, na última sexta-feira (1), afirmou que foi uma “interação super doce” e nada sinistra. “O bebê estava alegre, pulando e rindo. Isso tornou a espera para sair do avião um pouco mais divertida”, disse ele, segundo o Daily Mail. “Acho que foi uma mistura de fazer algo engraçado e tentar o seu melhor para proteger seu filho com o equipamento disponível”, completou.

Entenda os riscos:

Assim como o Ministério da Saúde, no Brasil, o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC) alerta que, na prevenção contra o coronavírus, as máscaras não devem ser usadas por crianças menores de 2 anos, pessoas com problemas respiratórios ou inconscientes. 

Isso porque, elas não devem ser usadas por pessoas que não sejam capazes de removê-las sem assistência, inclusive adultos, pois envolvem possibilidade de sufocamento, riscos de asfixia, estrangulamento e morte por engasgo – já que um bebê não tem capacidade motora de retirar a proteção sozinho, em caso de refluxo.

Compartilhe