Diário de São Paulo
Siga-nos
Baleado 6 vezes

Justiça conclui que namorada atirou em delegado e se matou após discussão

Polícia relatou tentativa de assassinato e suicídio: Priscila Barrios atirou em Paulo Bilynskyj por ciúmes e se matou. Delegado, que teve dedo amputado, criticou imprensa

Priscila Barrios e Paulo Bilynskyj: Namorada atirou em delegado e depois se matou, concluiu a Justiça de São Paulo. Policial teve de amputar um dos dedos por causa dos tiros que tomou - Foto: Reprodução/Arquivo pessoal/Redes sociais
Priscila Barrios e Paulo Bilynskyj: Namorada atirou em delegado e depois se matou, concluiu a Justiça de São Paulo. Policial teve de amputar um dos dedos por causa dos tiros que tomou - Foto: Reprodução/Arquivo pessoal/Redes sociais

Publicado em 12/07/2022, às 08h05 G1


A Justiça de São Paulo concluiu que um delegado e influenciador digital foi baleado pela namorada modelo e que ela se matou um dia após uma discussão entre o casal dentro do prédio dele, no ABC Paulista. O caso ocorreu em 20 de maio de 2020 em São Bernardo do Campo e teve repercussão na imprensa à época.


De acordo com a Polícia Civil, Priscila Delgado Barrios tentou matar Paulo Francisco Muniz Bilynskyj por ciúmes e depois tirou a própria vida. Ela tinha 27 anos. Esta também foi a versão do delegado, que tomou seis tiros e sobreviveu, após passar por cirurgias. Neste ano, teve de amputar o dedo médio da mão direita, que foi atingido pelos disparos, perdeu os movimentos e teve complicações.


A perícia Polícia Técnico-Científica analisou a residência e também comprovou por laudos o relato do policial.


Como a autora dos disparos se matou, o Ministério Público (MP) pediu o arquivamento do caso, que foi investigado e concluído como tentativa de assassinato e suicídio pelo 1º Distrito Policial (DP) da cidade. A Justiça arquivou o inquérito em 15 de junho de 2021. O g1 teve a confirmação disso na última sexta-feira (8). O caso estava sob sigilo judicial, que foi parcialmente suspenso há alguns meses.


Por meio de nota, a Secretaria da Segurança Pública (SSP) informou que a Corregedoria da Polícia Civil ainda apura, no entanto, a conduta de Paulo no caso, mas na esfera administrativa (leia abaixo a íntegra do comunicado).


Procurado pelo g1 para comentar o assunto, o delegado, atualmente com 35 anos, escreveu uma nota na qual lembra que a decisão da Justiça confirmou o que ele sempre havia dito: de que foi "vítima de uma tentativa de homicídio". No texto, Paulo também critica, de maneira geral, a cobertura da imprensa no caso. Afirma que, segundo ele, o acusou de ser "feminicida" (veja a íntegra nesta reportagem).A advogada Priscila Silveira faz a defesa do delegado Paulo Bylinskyj — Foto: Divulgação/Arquivo pessoal


Questionada pela reportagem, a advogada do delegado, Priscila Silveira, confirmou a decisão da Justiça pelo arquivamento. Segundo ela, que preferiu não dar mais declarações sobre o caso, seu cliente chegou a divulgar essa informação em suas redes sociais, no ano passado.


Para o advogado José Roberto Rodrigues da Rosa, que defende os interesses da família de Priscila, os pais dela ainda querem saber mais detalhes do que levou a filha deles a atirar em Paulo e depois se suicidar. Ele quer saber, por exemplo, se o namorado da modelo a instigou ou não a cometer o suicídio.

O que diz o delegado


'Não tinha motivo nenhum pra ela atirar em mim'; delegado baleado pela namorada deu sua versão ao Fantástico em junho de 2020
Por meio de nota, divulgada por ele mesmo ao g1, Paulo voltou a dizer que foi vítima no caso e criticou a mídia. O delegado é conhecido na internet por postar diversos vídeos, fotos e mensagens sobre seu trabalho, além de dar aulas como instrutor de tiro. Ele tem mais de 680 mil seguidores no Instagram.
Veja a seguir a declaração dele:

"No dia 20 de maio de 2020 fui vítima de uma tentativa de homicídio, fui baleado 6 vezes, no peito, mão, braços e pernas. Permaneci entre a vida e a morte por 11 dias na UTI, passei por 3 cirurgias, tive o peito e o abdômen aberto.


Passei por um período de recuperação que ainda não se encerrou, recentemente sofri a amputação de um dedo, que tentei sem sucesso reparar com mais de 8 cirurgias.


O que mais me choca foi a forma criminosa como fui taxado pela mídia que, sem nenhuma prova, me acusou de feminicida.

O crime praticado contra mim foi apurado por um extenso Inquérito Policial, foram realizadas perícias que em 5 anos como Delegado atuante no Departamento de Homicídios nunca vi serem realizadas.


Em junho de 2021 o Inquérito concluiu o óbvio, que eu tinha sido vítima de uma tentativa de homicídio e que a autora suicidou-se.

Compartilhe