Diário de São Paulo
Siga-nos

Direito ao aborto: como Kansas, Estado com maioria conservadora, decidiu manter permissão

A maioria dos eleitores disse que não deseja alterar a Constituição do Estado para incluir proibição ao aborto

Direito ao aborto: como Kansas, Estado com maioria conservadora, decidiu manter permissão - Imagem: Reprodução | BBC via Grupo Bom Dia
Direito ao aborto: como Kansas, Estado com maioria conservadora, decidiu manter permissão - Imagem: Reprodução | BBC via Grupo Bom Dia

Publicado em 03/08/2022, às 08h17 G1


O Estado do Kansas, nos Estados Unidos, decidiu em um referendo proteger os direitos ao aborto — em uma vitória dos chamados grupos pró-escolha, que são a favor desse direito.
A maioria dos eleitores disse que não deseja alterar a Constituição do Estado para incluir proibição ao aborto.

Esse foi o primeiro teste nas urnas sobre a questão do aborto desde que a Suprema Corte dos EUA revogou, em junho, uma decisão de 1973 que legalizava a prática em todo o país.

O referendo no Kansas poderia permitir que o Legislativo local restringisse ou proibisse o aborto no Estado.
Projeções sugerem que mais de 60% dos eleitores no referendo do Kansas votaram em favor do direito constitucional no Estado para que as mulheres tenham acesso ao aborto.

O resultado terá impacto nacional, já que os EUA se preparam para a realização de eleições parlamentares em 8 de novembro, em que o Partido Democrata — que é majoritariamente em favor do aborto — luta para manter o controle do Congresso.

O presidente dos EUA, Joe Biden, disse que o resultado mostrou que "a maioria dos americanos concorda que as mulheres devem ter acesso ao aborto".

Uma eleitora, Taylor Hirth, chorou ao comemorar o resultado com sua filha de nove anos em uma festa na cidade de Overland Park.

"Sou uma sobrevivente de estupro, e só de imaginar que minha filha possa engravidar e não possa fazer nada sobre isso me irrita", disse ela à BBC. "Nunca pensei que isso aconteceria aqui, mas trabalhamos muito aqui para conseguir o voto. Os republicanos nos subestimaram."

Quando a decisão Roe v Wade foi derrubada, o presidente Biden disse que o direito ao aborto seria um problema para os eleitores. O que aconteceu no Kansas mostra que essa preocupação é real.

Este é um Estado vencido pelo ex-presidente republicano Donald Trump por 15 pontos percentuais de diferença há apenas dois anos, nas eleições de 2020. Mas agora o mesmo eleitorado votou para proteger o acesso ao aborto por uma vitória considerada esmagadora.

Os números atuais ainda são apenas uma projeção. O resultado oficial será confirmado dentro de uma semana. Mas para democratas e grupos pró-escolha, isso é um sinal de que os americanos estão profundamente insatisfeitos com a derrubada do direito ao aborto — e veem a decisão da Suprema Corte como fora de sintonia com a opinião pública.

Autoridades do Kansas disseram que a participação dos eleitores em todo o Estado foi significativamente maior do que o esperado em um dia de votação de primárias (as prévias dos partidos na eleição americana), quando os republicanos geralmente superam os democratas na proporção de dois para um.

Justiça dos EUA processa Idaho por lei que proíbe aborto mesmo em casos de emergência
Por que o aborto se tornou uma questão para discutir no local de trabalho nos EUA.

O mês anterior à votação no referendo foi de tensão. Uma igreja católica e uma estátua da Virgem Maria foram vandalizadas com tinta vermelha e um slogan pró-escolha.

Na véspera da votação, alguns eleitores receberam notícias falsas afirmando que para proteger o direito ao aborto seria necessário votar no "sim" — mas na verdade o oposto é verdadeiro. A empresa de tecnologia Twilio disse que suspendeu o remetente anônimo de sua plataforma.

Embora o Kansas seja amplamente conservador, seus regulamentos de aborto são menos rigorosos do que muitos outros Estados liderados por republicanos.

Compartilhe