Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Mundo

Mortes por Covid na Índia são até 10 vezes superiores ao balanço oficial, afirma estudo

Publicado

em

Mortes por Covid na Índia são até 10 vezes superiores ao balanço oficial, afirma estudo

O número real de mortes provocadas pela Covid-19 na Índia pode ser até 10 vezes superior às mais de 414 mil vítimas registradas no balanço oficial, aponta um estudo de um grupo de pesquisas americano.

Entre 3,4 milhões e 4,9 milhões de pessoas morreram vítimas do vírus no país, do início da pandemia até junho deste ano, segundo o “Center for Global Development” (Centro para o Desenvolvimento Global, em tradução livre).

“As mortes reais provavelmente estão em vários milhões, não em centenas de milhares, o que transformaria esta na maior tragédia humanitária da Índia desde a independência”, afirmaram os pesquisadores. Veja aqui o estudo.

 

Segundo país mais populoso do mundo, com 1,3 bilhão de habitantes de habitantes, a Índia passou por um colapso sanitário e hospitalar em abril e maio e bateu recordes mundiais de casos e mortes, em meio a uma segunda onda atribuída à variante delta e a falhas do governo.

O governo do primeiro-ministro Narendra Modi se recusou a adotar medidas de restrição, permitiu aglomerações (como festivais religiosos e comícios eleitorais) e chegou a comemorar o “fim da pandemia” em janeiro.

Corpos enterrados em covas rasas nas margens do Rio Ganges, perto de um local de cremação, em Prayagraj, na Índia, em 15 de maio. Suspeita é que corpos são de vítimas da Covid-19. — Foto: Rajesh Kumar Singh/AP
Corpos enterrados em covas rasas nas margens do Rio Ganges, perto de um local de cremação, em Prayagraj, na Índia, em 15 de maio. Suspeita é que corpos são de vítimas da Covid-19. — Foto: Rajesh Kumar Singh/AP

O balanço oficial do país registra 414 mil mortes por Covid-19, o terceiro pior do mundo depois dos EUA (609 mil) e do Brasil (542 mil). Em número de casos confirmados, a Índia tem 31,1 milhões e está atrás apenas dos EUA (34,1 milhões).

Vários estados indianos têm revisado seus balanços nas últimas semanas e adicionaram milhares de óbitos que não haviam sido contabilizados. Parte dos analistas que questionam os números oficiais atribuem os erros mais ao colapso sanitário e de saúde do que a uma manipulação deliberada.

Especialistas atribuem grande parte da subnotificação aos recursos escassos no vasto interior da Índia, que abriga dois terços da população, e às muitas pessoas que morreram em casa sem serem testadas.

‘Excesso de mortalidade’

 

O estudo do centro de pesquisas americano se baseou na análise do “excesso de mortalidade” (o número de mortes registradas a mais no país em relação ao período pré-pandemia).

 

Os autores reconhecem que calcular a mortalidade com uma confiabilidade estatística é difícil, mas apontam que todas as estimativas sugerem que o balanço de mortes da pandemia é de uma magnitude muito maior do que a contagem oficial.

“Nós nos concentramos na mortalidade por todas as causas e estimamos o excesso de mortalidade em relação a uma linha de base pré-pandêmica, ajustando para a sazonalidade”, disseram os autores.

O governo indiano não se manifestou sobre o estudo até o momento.

Em junho, o Ministério da Saúde criticou a revista “The Economist”, que afirmou em um artigo que o excesso de mortalidade era entre cinco e sete vezes superior ao balanço oficial, e disse que o texto era “especulativo” e “desinformado”.

Piras funerárias de 25 vítimas da Covid-19 queimam em crematório a céu aberto criado em uma pedreira de granito nos arredores de Bengaluru, na Índia, em 5 de maio de 2021 — Foto: Aijaz Rahi/AP
Piras funerárias de 25 vítimas da Covid-19 queimam em crematório a céu aberto criado em uma pedreira de granito nos arredores de Bengaluru, na Índia, em 5 de maio de 2021 — Foto: Aijaz Rahi/AP

Alguns especialistas afirmam que o “excesso de mortes” é a melhor maneira de medir o número real de vítimas da Covid-19. Em maio, um relatório da OMS apontou que o número de óbitos na pandemia pode ser até três vezes maior do que o registrado oficialmente no mundo todo.

Cientista-chefe da Organização Mundial da Saúde, Soumya Swaminathan compartilhou uma notícia sobre o estudo nesta terça e afirmou que, “é importante capturar o excesso de mortalidade, pois é a única maneira de preparar o sistema de saúde para choques futuros e evitar mais mortes”.

Arrefecimento da pandemia

Atualmente, a Índia passa por uma forte queda no número de casos e mortes por Covid-19 registradas diariamente, com uma média de menos de 40 mil casos confirmados e cerca de 500 mortes por dia.

No pico da segunda onda, a Índia chegou a registrar uma média de 391 mil infectados e 4,2 mil óbitos a cada 24 horas. Nesta terça, foram 30.093 novos casos e 374 mortes, os menores números desde março.

O governo de Narendra Modi também tem criticado por uma campanha de vacinação confusa, que demorou a ganhar tração e muitos dizem ter ajudado a piorar a segunda onda.

Policiais informam população sobre a falta de vacina contra a Covid-19 no portão de um centro de imunização em Ahmedabad, na Índia, em 29 de junho de 2021 — Foto: Amit Dave/Reuters
Policiais informam população sobre a falta de vacina contra a Covid-19 no portão de um centro de imunização em Ahmedabad, na Índia, em 29 de junho de 2021 — Foto: Amit Dave/Reuters

A Índia é o segundo país que mais aplicou doses de vacinas contra a Covid-19 (411 milhões), atrás apenas da China (1,47 bilhão), segundo dados do “Our World in Data”, projeto ligado à Universidade de Oxford.

Mas, como tem tem mais de 1,3 bilhão de habitantes, a Índia aplicou menos de 30 doses a cada 100 habitantes, número inferior à média mundial (47). Pouco mais de 23% dos indianos receberam ao menos uma dose e só 6% estão completamente imunizados.

 

.

.

.

G1

mais lidas