Siga nossa Redes

Esportes

‘Fecha o preto aí, ó!’: garoto de MG diz em vídeo que sofreu injúria racial em jogo entre escolinhas em Goiás

esportes

Publicado

em

'Fecha o preto aí, ó!': garoto de MG diz em vídeo que sofreu injúria racial em jogo entre escolinhas em Goiás

Equipe da Uberlândia Academy divulgou com autorização da família de Luiz Eduardo, imagens dele chorando ao contar que foi insultado por técnico. Time adversário nega; organização suspende acusado de ofensa

Garoto chora em competição de escolinhas e relata injúria racial

Garoto chora em competição de escolinhas e relata injúria racial

O vídeo de um garoto de 11 anos aos prantos deixou internautas indignados nas redes sociais na noite dessa quinta-feira (17). O registro foi feito durante a disputa da Caldas Cup, torneio infantil de escolinhas de futebol em Caldas Novas, interior de Goiás. Na imagem, o garoto Luiz Eduardo, da Uberlândia Academy, chora ao contar o que ouviu durante o jogo contra o Instituto S.E.T. pela categoria sub-11.

– O cara falava assim “Fecha o preto aí, ó! Aí eu aguardei para falar no final com os pais. Falou um ‘tantão’ de vezes” – disse o garoto.

O relato foi publicado pela equipe mineira, com autorização dos pais, nas redes sociais, juntamente com uma nota de repúdio, nessa quinta-feira. O episódio, no entanto, ocorreu na quarta-feira à tarde.No comunicado, a Uberlândia Academy informou que acionou a Polícia Militar e registrou Boletim de Ocorrência:

“Após tomarmos ciência do fato, não tivemos dúvidas, acionamos a Polícia Militar, fomos à delegacia e fizemos um boletim de ocorrência. De antemão manifestamos que iremos até às últimas instâncias em defesa de nosso aluno e contra mais um ato deplorável que mancha a imagem do futebol”, diz a nota.

Diretor da escolinha, Adriano Santos disse ao ge que os pais do garoto estão a caminho da cidade goiana para acompanhá-lo à Delegacia da Infância e Juventude, onde será ouvido pela escrivã de polícia e pelo delegado.

– Estamos com seis equipes em Caldas Novas e devemos ir embora só no sábado. Estou trazendo a família de Uberlândia porque tem uma audiência com o delegado, para darem o respaldo a ele. Juridicamente, fizemos a gravação e vamos continuar por trás, mas estou tentando trazer os pais para perto – disse o diretor.

A reportagem teve acesso ao Boletim de Ocorrência registrado pela Polícia Militar de Goiás. Nele, Lázaro Caiana de Oliveira, técnico adversário acusado pelo garoto de mandar o time “marcar o preto”, nega que tenha dito tais palavras. Em contato com a produção da TV Integração, ele disse ter sido ameaçado.

– Ninguém da comissão técnica ou atletas nossos não falaram nada com nenhum atleta da equipe adversária ou comissão técnica. E nada foi relatado em súmula pelos árbitros e pelo coordenador. Após o jogo, quem foi injuriado racialmente foi a minha pessoa pelo presidente do clube, Adriano dos Santos vulgo Adriano Futsal, que me ameaçou de morte e me chamou de ‘preto safado’. Na delegacia foi tudo resolvido de forma pacífica. E eles postaram esse vídeo pra denegrir minha imagem e do meu clube! Ninguém da arbitragem ouviu, nem da comissão de ambas as equipes, e nem da organização tais ofensas feitas ao atleta. Nós iremos até o fim pra provar que nós somos uma inocentes – disse o técnico, que publicou vídeo ao lado da família nas redes sociais se defendendo (assista abaixo).

– O vídeo fala por si só, é uma criança, um sonho, uma alma, uma história, uma marca, um sentimento, os racistas não passarão – resumiu Adriano.

Organização divulga nota e toma decisão

A organização da Caldas Cup também publicou nota oficial em que repudia “qualquer atitude racista ou discriminatória ocorrido dentro ou fora do evento”. A organização do evento reiterou ainda que não pactua com qualquer atitude discriminatória que venha a ser cometida na competição, independente de quem venha a cometer tal ato.

Os responsáveis pela Caldas Cup também decidiram no fim da noite dessa quinta-feira pela suspensão provisória de Lázaro, integrante da comissão técnica da S.E.T acusado pelo garoto, até que os fatos sejam esclarecidos. Os organizadores da competição reforçam que o acusado não faz parte da equipe do evento e se colocaram à disposição para colaborar nas investigações.

Nota oficial da organização em caso de injúria racial na Caldas Cup — Foto: Reprodução/Instagram

Nota oficial da organização em caso de injúria racial na Caldas Cup — Foto: Reprodução/Instagram

Instituto S.E.T. se manifesta

Equipe adversária no caso relatado, o Instituto S.E.T. se manifestou nas redes sociais afirmando que é contra racismo e injúria racial, negou que qualquer integrante da comissão técnica tenha proferido palavras de cunho racista durante o jogo, que terminou 3 a 1 para a Uberlândia Academy, e que preza pelo respeito na vitória ou na derrota.

Segundo a nota da equipe, “ao negarmos tal ato de forma veemente pois não compactuamos com racismo de qualquer forma ou gênero, a comissão da equipe adversária de forma violenta fez injúrias e ameaças a todos da comissão da Set, e aí sim aconteceu o racismo e injúria racial”, relatando ainda que integrantes da delegação também teriam sofrido ameaças e injúrias, mas que o boletim de ocorrência não foi registrado (leia abaixo). Após a divulgação, a conta da equipe no Instagram foi tornada privada na manhã desta sexta-feira.

Instituto S.E.T divulgou nota sobre o caso; página foi tornada privada nesta sexta — Foto: Reprodução/Instagram

Instituto S.E.T divulgou nota sobre o caso; página foi tornada privada nesta sexta — Foto: Reprodução/Instagram

A Caldas Cup está na segunda edição e reúne equipes de escolinhas de futebol de 7 do interior de Goiás e de Minas Gerais, de 13 a 19 de dezembro.

.

.

.

GE – Globo Esporte

Publicidade

mais lidas