Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Sem categoria

Radialista faz ataques homofóbicos ao âncora do Jornal Nacional

Publicado

em

Reprodução Instagram

Chamado de queima rosca, jornalista Matheus Ribeiro vai processar radialista

O jornalista Matheus Ribeiro, de 26 anos, virou assunto no País por ser o primeiro jornalista assumidamente gay a apresentar o “ Jornal Nacional ”. Após a grande repercussão, o radialista Luiz Gama resolveu opinar e fez publicações homofobias que, ao que tudo indica, não passarão impunes. Segundo informações da Folha de S. Paulo , o jovem jornalista vai processar o radialista.

Tudo começou quando Luiz Gama fez uma publicação claramente falando de Matheus Ribeiro : “Putz! Onde o Brasil vai parar? Queimar rosca agora é moda. Um apresentador de telejornal de qualidade média virou a bola da vez no jornalismo nacional só porque revelou que sua rosquinha está à disposição. A qualidade profissional que se f…”.

Reprodução | Twitter

O radialista também comentou sobre a não obrigatoriedade do diploma para ser jornalista e, sem citar seu nome, criticou Maju Coutinho : “O Jair Bolsonaro está corretíssimo ao acabar com o registro na DRT e por acabar com a exigência de diploma para jornalistas. Afinal, tem uma fraquíssima em rede nacional só por causa da cor da pele e outro comunzão fazendo fama só porque avisou que queima a rosca”.

Reprodução | Twitter

Com a repercussão negativa dos ataques homofóbico e racista , o radialista excluiu as duas publicações, mas isso não foi o suficiente. A advogada de Matheus Ribeiro, Maria Thereza Alencastro, disse a Folha que o jornalista decidiu processar o Luiz Gama e que medidas nas áreas cível e criminal estão sendo tomadas. Também será pedida uma indenização por danos morais e crime de racismo – que inclui a homofobia.

Reprodução | Instagram

O Sindicato dos Jornalistas de Goiás soltou uma nota de repúdio em apoio a Matheus Ribeiro e Maju Coutinho. Nela, o SindJor Goiás diz que se solidariza com os profissionais que tem atuado de forma ética e responsável, mas são caluniados por conta da orientação sexual e pela cor da pele. A Band News Goiânia afirmou, em nota, a Folha que não interfere na opinião dos seus colaboradores, já a Globo não se pronunciou.

Por: iG Gente

mais lidas