Diário de São Paulo
Siga-nos

‘Passou do extremo’, diz tia de mulher que morreu após ser espancada

A família da dona de casa que morreu depois de ser espancada em Araçatuba (SP) está inconformada com a violência com que a mulher foi morta. Segundo a

‘Passou do extremo’, diz tia de mulher que morreu após ser espancada
‘Passou do extremo’, diz tia de mulher que morreu após ser espancada

Redação Publicado em 08/11/2016, às 00h00 - Atualizado às 08h55


Segundo a polícia de Araçatuba, marido é o suspeito e está desaparecido.
Vítima chegou a ficar dois dias internada por causa dos ferimentos.

A família da dona de casa que morreu depois de ser espancada em Araçatuba (SP) está inconformada com a violência com que a mulher foi morta. Segundo a polícia, o suspeito é o companheiro da vítima, que ainda não foi localizado. “Ele já vinha batendo nela desde quando ela foi morar com ele. Mas agressão nesse fato agora nunca tinha acontecido. Passou do extremo para matar. Espancou muito, no hospital ela não falava nada, estava em coma”, afirma a tia da vítima, Aparecida Medeiros Gonçalves.

Roseli Lopes tinha 53 anos e há quatro estava junto com o suspeito. Eles eram caseiros em um sítio, no bairro Água Limpa, zona rural da cidade, e, de acordo com o boletim de ocorrência, a agressão foi no início da tarde de sexta-feira (4). A vítima chegou a ser internada na Santa Casa, passou por cirurgia, mas não resistiu e morreu no domingo (6). “Ele sempre foi agressivo, ela vivia aparecendo na casa da irmão riscada de faca, com marcas, mas ela nunca dizia que foi agredida”, diz.

O delegado Getúlio Nardo afirma que o companheiro dela é o principal suspeito do crime. O homem ainda não foi encontrado. “Como existe a suspeita do convivente dela ter a agredido, o que era comum, e com a morte dela ele está desaparecido, será feita uma apuração para ver a participação dele nesse crime. Apesar dela sempre negar a agressão, a polícia vai investigar com parentes e amigos se de fato ele a agrediu. Mas é o que tudo indica, já que ele desapareceu”, afirma o delegado.

Roseli Lopes vivia há quatro anos com o suspeito (Foto: Reprodução/TV TEM)

Roseli Lopes vivia há quatro anos com o suspeito (Foto: Reprodução/TV TEM)

Compartilhe  

últimas notícias