Diário de São Paulo
Siga-nos
Tensão

Ex-mulher de namorado de Suzane Richthofen não quer filhas perto da ex-detenta

Silvia Constantino fala no Encontro que está na luta para ter guarda das filhas que teve com o atual de Suzane

Silvia Constantino fala no Encontro que está na luta para ter guarda das filhas que teve com o atual de Suzane - Imagem: reprodução redes sociais
Silvia Constantino fala no Encontro que está na luta para ter guarda das filhas que teve com o atual de Suzane - Imagem: reprodução redes sociais

Milleny Ferreira Publicado em 27/09/2023, às 13h07


Silvia Constantino tem 40 anos e é ex-mulher do atual namorado de Suzane Richthofen, Felipe Zecchini Muniz, falou na manhã de hoje (27) para o Encontro com Patricia Poeta, na TV Globo sobre o desespero que está sendo não estar com a guarda de suas filhas.

Silvia conta que após o início do relacionamento de Felipe com Suzane, a sua vida "virou um inferno", não consegue falar com suas filhas, elas não estão indo a escola e que assim está tentando reaver a guarda delas.

Felipe Zecchini Muniz tem 40 anos, também é medico e atualmente está em um relacionamento com Suzane von Richthofen que premeditou o assassinato de seus pais em 2002 ao lado dos irmãos Cravinho, Suzane está grávida e Felipe será pai novamente de uma menina.

“É um desespero muito grande de imaginar que elas filhas estão em contato com essa mulher”, disse Silvia, para o Encontro.

Silvia conta que ficou sabendo da relação dos dois pela internet e no momento não acreditou na história. “Me mandaram mensagens pela internet, fotos e, no início, eu não acreditei, achei que era montagem. Mas coincidiu de eu conseguir falar com a minha filha e ela me confirmou para mim a história e eu fiquei muito assustada”, relatou ela.

Enviou mensagens ao ex- marido e o mesmo que a confirmou tudo, e desde então, Silvia está vivendo cheia de angústia, ainda mais por ter questionado suas filhas se elas sabiam quem era a nova namorada do pai e elas afirmarem que sim. Essa foi a última vez que conseguiu ter contato com as crianças.

Ela conta que desconfiou se era mesmo as filhas que estavam a respondendo e tentou ligar e pediu mensagens de voz para elas.

 Todas as desconfianças que eu tive, eu tentei algum contato em que eu ouvisse a voz delas ou uma videochamada, mas todas as vezes que eu tentava, eu não conseguia nem conversar.

Ela conta que nunca teve privacidade para conversas com as garotas e após os pedidos de mensagens em áudio e ligação, as mensagens pararam de chegar e o celular deu como desligado.

Compartilhe  

últimas notícias