Diário de São Paulo
Siga-nos
Alianças

Para presidente do PP paulista, eleição na França é lição para alianças em 2026

O resultado surpreendente das eleições legislativas na França deve servir moldar as alianças para 2026

Maurício Neves, presidente estadual do PP, propõe união de forças para 2026 - Imagem: Reprodução | Redes Sociais
Maurício Neves, presidente estadual do PP, propõe união de forças para 2026 - Imagem: Reprodução | Redes Sociais

Jair Viana Publicado em 09/07/2024, às 14h00 - Atualizado às 14h52


Para o presidente estadual do Partido Progressistas, deputado federal Maurício Neves, o resultado das eleições legislativas da França, cujo segundo turno reverteu o quadro que se desenhava com a possibilidade de vitória da extrema-direita, saindo vitoriosa a esquerda, deve servir de exemplo para as eleições em 2026 no Brasil.

Segundo Neves, "o cenário político brasileiro vislumbra as eleições de 2026 com uma clara lição das eleições francesas: a união é essencial para o sucesso", disse. Ele toma por base, recentes declarações, o presidente nacional do PP, senador Ciro Nogueira, alertou que "se agirmos com radicalismo e soberba, vamos perder em 2026". 

Segundo Maurício Neves, "em um ambiente frequentemente polarizado, as redes sociais muitas vezes simplificam o espectro político em uma dicotomia entre direita e esquerda, mas não é bem assim", diz. Para ele, a realidade é mais complexa, com grandes blocos como o bolsonarismo e o lulismo necessitando do apoio do centro para alcançar o sucesso eleitoral. "Este eleitorado moderado, distante dos extremismos e das bolhas ideológicas, torna-se crucial para qualquer estratégia eleitoral bem-sucedida, acredita.

Neves observa que é preciso discutir mais claramente sobre o que se pretende para o país. "Já sabemos o que não queremos para o Brasil: retrocessos, elevação de impostos, intervenção excessiva na economia, apoio a ditaduras e descontrole fiscal", destacou.

As eleições de 2026 começam a ser definidas desde agora, segundo o progressista, e isso exige o fim do radicalismo "em favor de alianças estratégicas capazes de rejeitar a agenda ultrapassada da esquerda", disse. Em São Paulo, os progressistas tentam construir uma aliança sólida entre a direita e o centro, visando derrotar a extrema esquerda representada por Boulos. "Esta aproximação estratégica tem sido bem-sucedida, conforme indicam as pesquisas que mostram avanços significativos.

Segundo Neves, os partidos mais ao centro têm se aproximado do atual prefeito, Ricardo Nunes (MDB), candidato à reeleição. "O Prefeito Ricardo Nunes lidera em vários cenários, conquistando o apoio crucial do eleitorado de centro, que reconhece a viabilidade de nosso projeto para 2026", disse. 

O presidente nacional do PP, senador Ciro Nogueira, tem dito que é preciso ultrapassar as bolhas radicais. "É essencial transcender as bolhas ideológicas e construir alianças que persuadam o eleitorado de centro de que temos um caminho viável para derrotar a esquerda nas urnas".

Na avaliação de Maurício Neves, as eleições deste ano precisam ser discutidas do ponto de vista da união, das alianças com os partidos, cujas pautas tenham sintonia com a direita. "A mudança que o Brasil necessita passa pelas eleições de 2024. Os Progressistas de São Paulo estão comprometidos em unir forças para defender um Brasil moderno, próspero e democrático. As lições da eleição francesa deixam claro que juntos podemos vencer, mas separados e radicalizados, estamos fadados ao fracasso", afirmou Neves.

Compartilhe  

últimas notícias