Diário de São Paulo
Siga-nos
Crime

CONFISSÃO MACABRA: veja a cronologia do caso do adolescente que matou pai, mãe e irmã

O crime começou a ser planejado na última quinta-feira (16)

CONFISSÃO MACABRA: veja a cronologia do caso do adolescente que matou pai, mãe e irmã - Imagem: Reprodução/Redes Sociais
CONFISSÃO MACABRA: veja a cronologia do caso do adolescente que matou pai, mãe e irmã - Imagem: Reprodução/Redes Sociais

Manoela Cardozo Publicado em 21/05/2024, às 13h41


Na última sexta-feira (17), um adolescente de 16 anos matou sua família adotiva em casa, na Vila Jaguara, zona oeste de São Paulo. O caso ganhou repercussão segunda-feira (20) após o menor confessar o crime e declarar que "faria de novo".

Conforme informações do Metrópoles, a linha cronológica do crime é a seguinte

Quinta-feira (16):

O adolescente foi chamado de vagabundo e teve seu celular confiscado. Sem o aparelho, ele não poderia usá-lo para uma apresentação escolar. Com raiva, o menor começou a planejar o crime que executaria no dia seguinte.

Sexta-feira (17):

O adolescente pegou a arma do pai, um guarda municipal de 57 anos, e testou o funcionamento disparando contra a cama de casal dos responsáveis. Por volta das 13h23, ele esperou o pai e a irmã de 16 anos chegarem da escola. O pai foi morto com um tiro na nuca na cozinha e a irmã foi executada no andar de cima com um disparo no rosto após questionar o que havia acontecido com o pai. Após matar os dois, o infrator almoçou ao lado dos cadáveres e foi à academia. Ao voltar, aguardou a mãe, de 50 anos, chegar do trabalho. Às 19h, ele a recebeu, acompanhou até a cozinha, onde ela encontrou o corpo do marido e começou a gritar. Nesse momento, ela foi atingida por um disparo nas costas e caiu sobre o corpo do marido.

Sábado (18):

No dia seguinte, o adolescente voltou à academia e, ao retornar, fixou uma faca nas costas da mãe, ainda com raiva por conta do confisco do celular. Ele continuou sua rotina normalmente, como ir à padaria comprar alimentos.

Domingo (19):

Por volta das 22h55, o adolescente chamou a polícia, incomodado com a grande quantidade de moscas atraídas pela decomposição dos corpos. No local, os policiais prenderam o adolescente, que confessou o crime. Ele afirmou que já planejava matar os pais, mas não incluía a irmã. Porém, por ela estar no local, também foi morta.

Em depoimento, o menor reafirmou que seu objetivo era apenas matar, não se arrependeu de seus atos e, se pudesse, "faria de novo". Segundo a Secretaria da Segurança Pública (SSP), o caso foi registrado como ato infracional de homicídio – feminicídio, ato infracional de posse ou porte ilegal de arma de fogo, e ato infracional – vilipêndio a cadáver.

Compartilhe  

últimas notícias