Diário de São Paulo
Siga-nos

Menino de SP se torna bilíngue aos 3 anos e, aos 5, entra para clube mundial de superdotados: 'Me deu medo', diz mãe

Filippo alcançou o percentil de 99% em laudo e QI 134, com destaque para memória, aritmética e raciocínio lógico, todos compatíveis com uma criança de 7 anos e 8 meses

Filippo de Castro Morgado brinca de fazer cálculos em sua casa - Imagem: Reprodução | Arquivo pessoal
Filippo de Castro Morgado brinca de fazer cálculos em sua casa - Imagem: Reprodução | Arquivo pessoal

Publicado em 29/07/2022, às 07h25 G1


Filippo de Castro Morgado, de 5 anos, é um dos mais novos integrantes do clube mundial de pessoas com alto QI.

Atualmente, a Mensa Brasiltem 2.014 brasileiros em seu quadro de associados, sendo 58 deles menores de idade, segundo a instituição.

O menino, que vive com a mãe, Roberta de Castro, na Pompeia, na Zona Oeste de São Paulo, recebeu o resultado da aprovação para a sociedade no dia 21.

"Neste mês, descobri que a Mensa Internacional está recebendo laudos a partir de 2 anos (Son-R), então submeti o laudo dele à aprovação e, para a minha surpresa, foi aprovado imediatamente", disse Roberta.

Superdotação

 A mãe conta que, desde os 2 anos, Filippo já dava indícios de comportamentos "atípicos". Ainda segundo Roberta, os familiares e amigos também percebiam e comentavam que a inteligência do menino parecia ser acima da média para a idade dele.

"O choque veio quando ele leu a placa dos carros no estacionamento do prédio aos dois anos e meio. A gente estava descendo para passear, ele parou, pediu para esperar e começou a ler todas as placas até chegar ao nosso carro."

Não para por aí: com apenas 3 anos, o menino passou a falar inglêsfluentemente. Segundo a mãe, ele aprendeu o idioma sozinho, por meio de desenhos no idioma. E gostou tanto que passou a querer falar a língua em casa com a mãe, que precisou fazer aulas do idioma para acompanhá-lo.

Em um determinado dia, Roberta resolveu acessar um checklist de questões de superdotados na internet e viu que os comportamentos pareciam muitos familiares com os que ela observava no filho.

"Muitas coisas que a maioria deles têm: atenção extrema quando está desenvolvendo um projeto, facilidade de comunicação e de memorização, raciocínio lógico imediato, criar vários brinquedos a partir de um brinquedo. Eu falei, nossa, esse aqui é meu filho! E me deu um supermedo."

As suspeitas ficaram maiores depois que ela e a criança passaram a ficar mais tempo juntos em casa, com a pandemia da Covid-19.

"Foi justamente na pandemia quando eu vi que, realmente, ele se comportava de uma maneira muito ágil, muito diferente das outras crianças, e aí eu fui buscar informação."

Em 2021, Roberta tomou a decisão de procurar uma neuropsicóloga. Na época, Filippo, com 4 anos e 7 meses, foi submetido ao teste de QI com a metodologia do Son-R (não verbal), e teve o resultado: o menino alcançou o percentil de 99% em laudo e QI 134, relativo a uma criança de 7 anos e 8 meses, comprovando a superdotação.

A profissional responsável pelo diagnóstico de Filippo também resolveu aplicar o Wisc IV para entendimento melhor do caso, ainda que este segundo teste só possa ser feito em crianças acima de 6 anos. Filippo foi submetido ao teste como treineiro, e o resultado comprovou as habilidades que a mãe já notava.

"No laudo, ele foi mais pontuado em aritmética, raciocínio lógico e memória. São os três pontos que ele foi acima da média para a idade dele. Além disso, o resultado mostrou que ele tinha, no ano passado, a idade cognitiva de 7 anos e 8 meses. Justamente por essa questão que ele pontuou muito alto na resolução de problemas de matemática", destacou a mãe.

Compartilhe