Siga nossa Redes

Esportes

Nos pênaltis (de novo…), Palmeiras perde Recopa para o Defensa y Justicia

Redação SP

Publicado

em

Nos pênaltis (de novo...), Palmeiras perde Recopa para o Defensa y Justicia

Três dias depois de ser derrotado pelo Flamengo na Supercopa, da mesma maneira, Verdão sai à frente, leva virada, tem Viña expulso, perde pênalti na prorrogação, e… fica sem taça inédita

Filme repetido

 

De novo, nos pênaltis. Três dias depois de ter perdido a Supercopa para o Flamengo nas cobranças finais, o Palmeiras voltou à marca do pênalti na Recopa Sul-Americana e mais uma vez saiu sem a taça: perdeu por 2 a 1 para o Defensa y Justicia no tempo normal, na noite desta quarta-feira, em Brasília, e depois de 30 minutos sem gols na prorrogação acabou derrotado também nos pênaltis, por 4 a 3 – a equipe argentina, atual campeã da Copa Sul-Americana, fez história e conquistou mais um título inédito para sua galeria. Luiz Adriano e o goleiro Weverton perderam pênaltis na disputa final, enquanto Gustavo Gómez errou uma cobrança na prorrogação. No tempo normal, Raphael Veiga foi quem abriu o placar (também de pênalti!), mas o Defensa virou com gols de Braian Romero e Benítez, este nos acréscimos do segundo tempo. Ao Verdão, hora de pensar em Paulistão e Libertadores.

 

Os pênaltis

 

Depois de 120 minutos brigados, faltou perna nas penalidades máximas. Enquanto o Defensa y Justicia foi perfeito e não deu chances a Weverton em quatro cobranças, o Verdão falhou com Luiz Adriano, em pênalti defendido por Meza, e o próprio Weverton, em chute no travessão. Gómez quase errou de novo, mas foi ajudado por um efeito da bola que a levou para além da linha de gol. Gabriel Menino e Rony marcaram.

VAR pede música?

 

Em meio a cinco expulsões (entre jogadores e comissão técnica), confusão no fim do tempo normal e tensão, o árbitro uruguaio Leodan González se perdeu: teve de ser chamado três vezes pelo VAR para corrigir três marcações erradas de campo. Foram dois pênaltis em Rony que só foram marcados após consulta ao vídeo – um no primeiro tempo, convertido por Raphael Veiga, outro na prorrogação, desperdiçado por Gustavo Gómez. Ele também precisou da ajuda de seus colegas para ver o chute de Matías Viña nas costas de Meza, devidamente punido com cartão vermelho.

 

Matías Viña expulso em Palmeiras x Defensa y Justicia

Matías Viña expulso em Palmeiras x Defensa y Justicia (Foto: Staff Images/Conmebol)

Primeiro tempo

 

O Defensa y Justicia mostrou logo no início que tentaria se impor – reclamou de possível pênalti de Luan em uma das primeiras jogadas (a bola não tocou no braço do palmeirense) e teve boa chance com Walter Bou, que furou cruzamento de Braian Romero. O Verdão resistiu à pressão inicial e tentou jogar no espaço deixado pelos argentinos, que apertavam a saída de bola a todo momento. Numa dessas jogadas em velocidade, Rony avançou até a área e foi derrubado por Meza: pênalti ignorado pelo árbitro Leodan González, mas marcado após consulta ao VAR. Raphael Veiga bateu bem e abriu o placar. Depois disso, porém, o Palmeiras ficou com a marcação baixa, esperando o rival, e mesmo assim deixando espaços às costas dos defensores. Por ali, aos 30 minutos, Pizzini recebeu atrás de Gómez, tocou para trás e viu Braian Romero bater com categoria para empatar. O Defensa poderia ter virado ainda no primeiro tempo, mas parou em ótimas defesas de Weverton – principalmente em chutes seguidos de Romero e Benítez.

 

Gol de Raphael Veiga em Palmeiras x Defensa y Justicia

Gol de Raphael Veiga em Palmeiras x Defensa y Justicia (Foto: Staff Images/Conmebol)

Segundo tempo

 

O Palmeiras continuou jogando com as linhas mais baixas, esperando o Defensa y Justicia e dando sinais de que a parte física pesaria na reta final. Defendendo-se bem, com uma linha de cinco jogadores, o Verdão sofreu na saída em velocidade. Por isso, as primeiras substituições de Abel Ferreira foram Gabriel Veron e Mayke nas vagas de Wesley e Breno Lopes. Numa das poucas escapadas que teve, o Verdão quase matou o jogo com Rony – Unsaín fez grande defesa. A expulsão de Viña, após acertar um chute nas costas de Meza, mudou de vez a partida, tornando-a praticamente um ataque contra defesa. Nesse contexto, Abel trocou Raphael Veiga por Gabriel Menino e teve outra grande chance de vencer: num contra-ataque puxado por Patrick de Paula que chegou aos pés de Veron. Unsaín defendeu mais uma. Nos minutos finais, Felipe Melo e Empereur entraram para reforçar a defesa – este último, porém, errou uma saída de bola e viu Benítez chutar de longe para dar a vitória ao Defensa y Justicia. E levar o jogo para a prorrogação.

Braian Romero comemora um dos gols do Defensa y Justicia

Braian Romero comemora um dos gols do Defensa y Justicia (Foto: Staff Images/Conmebol)

A prorrogação

 

Braian Romero foi expulso antes do início do tempo extra e deu início a uma breve confusão na saída para os vestiários. Depois, com os ânimos controlados, Rony recebeu ótimo lançamento de Felipe Melo e sofreu pênalti de Unsaín – novamente revisado pelo VAR. Gustavo Gómez bateu e errou. Os dois times tentaram o gol, mas o cansaço venceu ambos.

 

Gustavo Gómez perde pênalti na prorrogação de Palmeiras x Defensa y Justicia
Time do Palmeiras posado na final da Recopa contra o Defensa y Justicia

Time do Palmeiras posado na final da Recopa contra o Defensa y Justicia (Foto: Staff Images/Conmebol)

 

Del Valle a caminho

 

Pouco antes do apito inicial contra o Defensa y Justicia, o Palmeiras descobriu seu último adversário no Grupo A da Libertadores: será o Independiente del Valle, que eliminou o Grêmio nesta quarta e se garantiu na fase de grupos. O Verdão também enfrenta o Universitario, do Peru, e o próprio Defensa y Justicia.

 

O que vem por aí?

 

O Palmeiras enfrenta uma dura sequência pela frente, com três jogos em seis dias: volta a campo já na próxima sexta-feira para enfrentar o São Paulo, às 22h (de Brasília), no Allianz Parque, em clássico válido pela quinta rodada do Paulistão. Depois, pega o Botafogo-SP no domingo, fora de casa, e estreia na Libertadores na próxima quarta, contra o Universitario, também longe de São Paulo – em Lima, Peru.

 

.

.

.

Fonte: GE – Globo Esporte.

mais lidas