Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Mundo

Lista de assuntos que Biden tratará com Bolsonaro em cúpula será ‘longa’, diz conselheiro dos EUA

No último dia 26, governo confirmou participação do presidente brasileiro na Cúpula das Américas entre os próximos dia 6 e 10, em Los Angeles.

Publicado

em

Governo enviou 300 servidores para ajudar em buscas no Amazonas

O diretor sênior do Conselho de Segurança Nacional para o Hemisfério Ocidental dos Estados Unidos, Juan Gonzalez, afirmou nesta quarta-feira (1º) que os presidentes Jair Bolsonaro e Joe Biden terão uma “lista longa” de assuntos a serem discutidos durante a Cúpula das Américas.

Em entrevista coletiva por telefone a partir de Miami, Gonzalez mencionou como possíveis assuntos insegurança alimentar, resposta econômica à pandemia, saúde, segurança sanitária e mudanças climáticas. “São áreas em que o Brasil desempenha papel muito importante”, disse.

A Cúpula das Américas, que reúne líderes de todo o continente americano para discutir o fortalecimento da democracia na região, acontecerá entre os dias 6 e 10 de junho, em Los Angeles.

Na semana passada, Bolsonaro confirmou participação. Ele e Biden ainda não tiveram uma reunião bilateral, prevista para o período da cúpula. Mas nem o Ministério das Relações Exteriores nem o representante norte-americano informaram em que data ocorrerá o encontro.

Bolsonaro tem uma relação distante com Biden. Na eleição norte-americana de 2020, ele declarou apoio ao então presidente Donald Trump, derrotado por Biden na tentativa de se reeleger. Bolsonaro chegou a afirmar que houve fraude na eleição dos Estados Unidos.

Segundo Juan Gonzalez, Biden usará a cúpula como uma oportunidade para conhecer os líderes dos países e “avançar em objetivos comuns”, como prosperidade econômica, mudanças climáticas, crise migratória e pandemia da covid-19.

O presidente norte-americano espera anunciar, durante a cúpula, ações para promover os sistemas de saúde e sanitário a fim de preparar a região para futuras pandemias, parcerias energéticas e de combate às mudanças climáticas e propostas para combater a crise migratória no continente.

G1

mais lidas