Siga nossa Redes

São Paulo

Homens presos sem provas na periferia da Zona Sul de SP são soltos

esportes

Publicado

em

Homens presos sem provas na periferia da Zona Sul de SP são soltos

João Igo e Felipe, que são conhecidos por trabalhos sociais no Campo Limpo, foram presos quando voltavam de Pinheiros, na Zona Oeste, após uma das vítimas reconhecer a cor da roupa deles. Ambos ficaram presos por 12 dias.

 

 

Dois homens que foram acusados de roubo sem indícios convincentes foram soltos na tarde da última sexta-feira (15), depois de passarem 12 dias no Centro de Detenção Provisória (CDP) do Belém, na Zona Leste.

Eles foram presos no dia 3 de janeiro em um ônibus, quando voltavam da região de Pinheiros, na Zona Oeste, porque a polícia achou que eles eram parecidos com a descrição de vítimas de um assalto que ocorreu horas antes.

As vítimas não reconheceram os dois rapazes e eles não estavam com nada roubado – uma das pessoas disse apenas que reconhecia as roupas deles. Mesmo assim, foram levados para o Centro de Detenção Provisória (CDP) do Belém, na Zona Leste.

Moradores do Campo Limpo, Zona Sul da capital, João Igo dos Santos Silva, de 37 anos, e Felipe Patricio Lino Ferreira, de 20, são conhecidos pelos trabalhos sociais que fazem em comunidades. Igo é produtor audiovisual e Felipe é lutador de Artes Marciais Mistas (MMA) e dá aulas gratuitamente.

O Tribunal de Justiça recebeu um pedido de habeas corpus na quarta (13) e entendeu que não há motivos para a prisão preventiva. Os jovens podem responder ao processo em liberdade.

“A gente conseguiu isso junto, certo? Isso mostra que a gente é um coletivo, todos somos um, estamos juntos e a nossa luta ela só se intensifica, ela só se torna mais forte. E a gente vê não está sozinho, muito obrigado a todos”, disse João Igo.

Para a advogada e amiga Júlia Maria de Siqueira, a prisão dos rapazes foi arbitrária. “Sem dúvida nenhuma, a prisão do Igo e do Felipinho, como mostram as provas, é arbitrária e ilegal, porque essas prisões ilegais ocorrem no Brasil. O Brasil é um país onde os negros têm que provar sua inocência, diferentemente do que está na Constituição, que é a presunção de inocência”, disse ela.

Agora, a defesa deve se concentrar em provar a inocência de João Igo e Felipe, e informa que possui um vídeo que mostra os amigos andando em Pinheiros no dia 2 de janeiro, mas em um horário depois que o crime já tinha ocorrido, e sem carregar nada nas mãos.

“Serem presos por causa da cor da roupa não justifica, entendeu? Então eles foram atrás das provas, estou muito emocionada, agradeço a todo o movimento que teve, nos ajudou. E estou muito feliz de ter meu filho nos meus braços de volta”, disse Maria Celeste, mãe de João Igo dos Santos.

Publicidade

mais lidas