Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Sem categoria

Pra não dizer que não falei da Copa

Publicado

em

Pra não dizer que não falei da Copa

Meu nome não nega. Sou neto de italianos, que imigraram no início do século 20 para ganhar a vida no Brasil. Sou brasileiro, paulista da gema, e minha família costuma se reunir para torcer tradicional e fervorosamente para o escrete canarinho a cada partida na Copa, mas, à italiana: muito barulho, falando alto e com muita bagunça, como não poderia deixar de ser.

Na estreia contra a Suíça, na Copa da Rússia, surgiu, então, a discussão: esse ano parece que a torcida dos brasileiros não tem sido tão fervorosa quanto em outras copas, e uma das conclusões é que o momento de crise política e econômica do País pode ter interferido.

Iniciado o jogo, encerrou-se a discussão. Mas, pelo menos em mim, o assunto calou fundo. Será que o momento de depuração que o País vem vivendo nos últimos tempos afetou a atmosfera da paixão nacional? Será que é assim, também, nos outros países? Rapidamente, passei a analisar os países que dividem com o Brasil o Grupo E da Copa: Costa Rica, Sérvia e Suíça. Duas seleções latino-americanas e duas europeias.

Como o Brasil, a Costa Rica passou por um processo de colonização, e aboliu a escravidão em 1824, enquanto o Brasil o fez mais de 60 anos depois, em 1888. Por si só, isso influencia e muito em seus níveis de desenvolvimento.  Altamente desigual, do ponto de vista social, o Brasil tem um PIB per capita de 13,6 mil dólares e é apenas o 79º melhor IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) do Planeta, enquanto a Costa Rica tem PIB per capita de 10,9 mil dólares e é o 66º IDH do Mundo.

Falar de IDH perto da Suíça é covardia: famoso pela neutralidade política, o país dos alpes se afastou das grandes guerras do último século e tem PIB per capita de R$ 80,6 mil dólares, sendo o 2º IDH do Mundo. Já a Sérvia, numa das regiões mais devastadas por guerras na Europa nos últimos 100 anos, tendo se desmembrado da antiga Iugoslávia, depois de Montenegro – isso só para falar das últimas décadas – tem 5,2 mil dólares de PIB per capita e a posição 66 no IDH. Me pus a pensar  como andaria o espírito da Copa nos suíços, sérvios e costarriquenhos.

É possível concluir muitas coisas com essas estatísticas. Mas não é essa a intenção, aqui. É, sim, mostrar que futebol e política/economia são línguas completamente distintas. Portanto, se você é brasileiro e apaixonado por futebol, vibre e torça como sempre. E se você quer um Brasil mais justo e que respeite direitos, cobre e fiscalize como nunca. Assim como no futebol (aí, sim!), a democracia se exercita diariamente, mas uma coisa não pode interferir na outra. E vamos em frente, rumo ao hexa e à urna, em 2018.

mais lidas