Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Polícia

Polícia tenta identificar autores de golpes pela Internet

Publicado

em

Polícia tenta identificar autores de golpes pela Internet

Pelo menos 20 pessoas já caíram no golpe em Rio Preto (SP). A principal orientação é desconfiar

A polícia segue trabalhando no sentido de identificar os autores de golpes aplicados a partir de compras de carros pela internet na região de Rio Preto (SP).
Os golpistas envolvem vendedores e compradores, contando histórias diferentes para cada um até que eles fechem negócio. Só que quem fica com o dinheiro são os criminosos.

Pelo menos 20 pessoas já caíram no golpe. Uma das vítimas, que teve a identidade preservada, contou que viu um anúncio em um site de vendas e perdeu dinheiro após cair em uma história inventada pelo golpista, que se passava por advogado e afirmava ter relação com o dono do carro.

“Ele dizia que era advogado, tinha ganho uma ação pra ele, uma ação familiar”, conta.
Como o suposto advogado intermediava todo o negócio, o depósito do dinheiro teria que ser feito na conta dele. O problema é que, na hora de fazer a documentação, como o vendedor não recebeu o dinheiro, não queria assinar o recibo de venda.

“O dono do carro me pediu desculpa, disse que mentiu pra mim, que o cara não era advogado dele, que, na verdade, na ganância de vender o carro, ele acabou contando a história pra mim e por isso que eu fiz o depósito, onde eu perdi os R$ 25 mil”, continua.

Segundo a polícia, este tipo de golpe tem se tornado cada vez mais frequente, mas, como os estelionatários acabam usando documentos falsos, as investigações para descobrir quem são os responsáveis ficam muito limitadas.

A principal orientação da polícia é sempre desconfiar. Além disso, neste tipo de golpe, os detalhes fazem toda a diferença para saber se você está ou não entrando em uma fria. “Isso atrapalha a investigação, porque a gente não consegue chegar a uma pessoa real, uma pessoa que tenha RG e CPF verdadeiros”, explica o delegado da DIG de Rio Preto, Fernando Tedde.

mais lidas