Diário de São Paulo
Siga-nos

“Um tanto de audácia é importante”, Criolo

Imagem “Um tanto de audácia é importante”, Criolo

Publicado em 07/07/2022, às 00h00 - Atualizado às 08h21 Redação


A consciência sobre o racismo estrutural está na ordem do dia do atual marco civilizatório. A cada dia fica mais difícil esconder que o nosso sistema de criação e circulação de riquezas foi determinado em sua origem pela lógica de uma sociedade escravagista.

Não basta atingir a compreensão sobre esse estado de coisas, mas é necessário construir caminhos para debelar as mazelas daí decorrentes.

Continuando a coluna sobre a conversa qie este colunista teve com o artista Criolo, e tendo isso em mente, num contexto da questão da polarização política atual, perguntei para o Criolo se ele vislumbra o surgimento de uma liderança capaz de criar uma mesa de negociação onde diferentes grupos possam buscar algum consenso, após neutralizar os extremistas.

O rapper e ator respondeu que: “Eu acredito que um tanto de audácia é importante, pois muita moderação deixa o leite morno. E o chá não é nem frio, nem quente e talvez fique sem graça.”

Imediatamente, lembrei de um sermão do Reverendo Dr. Martin Luther King Jr: “Devemos combinar a prudência da serpente com a suavidade da pomba, uma mente rigorosa com um coração sensível”. Sim. A fala do Criolo me fez identificar alguém que possui pensamento incisivo, mas temperado por um espírito sensível. Eu não quis interrompê-lo.

Criolo seguiu com seu raciocínio: “Como moderar…como pensar moderação num território que passa por uma guerra civil não declarada? Sim. Existem essas pessoas, mas é muito difícil, porque todo este, toda esta ou estx que aparece é perseguido, as pessoas estão pagando com a própria vida, banalizou”.

Lembro que há certa incompreensão sobre a tática de Luther King, que adotou a resistência nâo violenta em sua luta por direitos civis, mas não foi um sentimentalista omisso. Ele foi um ativista firme e determinado, um homem de ação, mas sempre pregou a esperança e o amor. Exatamente como faz o Criolo em sua arte, quando diz: “canto a vida onde a morte aqui se faz rotina”, na letra de “Aprendendo a Sobreviver”, que está no seu mais novo álbum, “Sobre Viver”.

Compartilhe