Diário de São Paulo
Siga-nos

Por problemas na Justiça, região de Rio Preto elege prefeitos interinos

Quatro cidades da região de São José do Rio Preto vão iniciar o ano de 2017 com prefeitos que assumiram o cargo provisoriamente. Os municípios de

Por problemas na Justiça, região de Rio Preto elege prefeitos interinos
Por problemas na Justiça, região de Rio Preto elege prefeitos interinos

Redação Publicado em 01/01/2017, às 00h00 - Atualizado às 18h45


Candidaturas foram indeferidas e houve até pedido de prisão preventiva.
Justiça deve definir quais cidades terão novas eleições até março.

Quatro cidades da região de São José do Rio Preto vão iniciar o ano de 2017 com prefeitos que assumiram o cargo provisoriamente. Os municípios de Sebastianópolis do Sul, Penápolis, Ilha Solteira e Neves Paulista aguardam decisões da Justiça Eleitoral para saber se os candidatos mais votados ocuparão a cadeira de chefe do Executivo ou se serão necessárias novas eleições.

Confira abaixo a situação de cada cidade:

Ilha Solteira
O ex-prefeito de Ilha Solteira, Edson Gomes (PP), teve o maior número de votos, mas estava com a candidatura indeferida pelo TRE-SP. Ele conseguiu reverter a situação e validar a candidatura junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), mas a Procuradoria-Geral do Estado conseguiu uma liminar para evitar a diplomação.

Gomes tem um pedido de prisão preventiva expedido e é considerado foragido pela Justiça e já teve três pedidos de Habeas Corpus negados. Dois pelo TJ-SP e um pelo STJ.

Assumiu a prefeitura Emanuel Rodrigues (DEM), eleito presidente da Câmara. A eleição foi acirrada, já que o “concorrente” foi Rodrigo “Kokim” Gonçalves. Cada candidato recebeu quatro votos nos dois turnos. No desempate, Rodrigues ficou com o cargo por ter sido o candidato mais votado entre os dois.

Neves Paulista
O candidato mais votado nas eleições de outubro foi Ilso Parochi, condenado pelo Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP). Enquanto esteve à frente de consórcio intermunicipal para manutenção de estradas em Neves Paulista, incorreu em diversas irregularidades, o que levou o Tribunal de Contas a rejeitar sua prestação de contas no exercício de 2011.

Parochi recebeu 2.326 votos. Ele aguarda um recurso no TSE para conseguir validar sua candidatura e assumir o cargo. Neste momento, quem comanda a cidade é Leonídio “Nirdo” Moretti. Caso não consiga, Nílton Stuqui (PTB) deve assumir a prefeitura.

Penápolis
Célio José de Oliveira foi condenado por improbidade administrativa cometida em 2010 quando ele ocupava a cadeira de presidente da Câmara de Vereadores do município e foi acusado de pagar em duplicidade o próprio salário.

Ele conseguiu se eleger, mas o TSE cassou o mandato. Além disso, a condenação obriga Célio de Oliveira ao pagamento de multa estipulada no valor de R$ 3.629,58, a ser atualizado desde 2010. Ele tenta um Recurso Especial no STJ para reverter a situação, mas, por enquanto, está inelegível até 2021.

Fica como prefeito interino da cidade Rubens Bertolini (SD). A cidade deverá ter uma nova eleição.

Sebastianópolis do Sul
José Antônio do Valle foi prefeito de Sebastianópolis do Sul entre 2009 e 2012 e teve as contas da prefeitura relativas ao ano de 2012 rejeitadas por gastos irregulares com propaganda. por isso, o TRE-SP rejeitou a candidatura de Valle. O Ministério Público alega que do Valle não pode assumir por ter sido condenado.

No entanto, a defesa sustenta que não há a suspensão dos direitos políticos do prefeito. O recurso do candidato não foi avaliado pelo TSE até o momento. Caso a candidatura de do Valle continue como indeferida, Otamir Marques (PSB) deve assumir o cargo. O pessebista tentou ser diplomado, mas o pedido foi negado pelo presidente do TSE, Gilmar Mendes.

O prefeito “tampão”, é o vereador José Antônio Menoni Espindola, conhecido como Bobô.

Compartilhe  

últimas notícias