Diário de São Paulo
Siga-nos
Violência

França decreta estado de emergência e proíbe o TikTok após 4 mortes

O TikTok ainda não se pronunciou sobre essa proibição

França decreta estado de emergência e proíbe o TikTok após 4 mortes em distúrbios - Imagem: Reprodução / Freepik
França decreta estado de emergência e proíbe o TikTok após 4 mortes em distúrbios - Imagem: Reprodução / Freepik

Gabriela Thier Publicado em 16/05/2024, às 17h20


O governo da França anunciou na quarta-feira (15) a imposição do estado de emergência no território francês da Nova Caledônia, onde uma série de tumultos em meio a protestos contra uma reforma do censo eleitoral resultaram em quatro mortes e centenas de feridos.
Como medida adicional, as autoridades locais proibiram o uso do aplicativo de vídeos TikTok na ilha da Nova Caledônia. O governo justificou essa medida citando o uso do aplicativo durante tumultos ocorridos na França continental no ano passado, quando foi utilizado para organizar manifestações e atrair indivíduos violentos para as ruas. O TikTok ainda não se pronunciou sobre essa proibição.
O Palácio do Eliseu, sede do governo francês, afirmou que a violência registrada na Nova Caledônia é intolerável e que será respondida com medidas firmes para restaurar a ordem.
Como parte do esforço para conter a situação, o exército foi mobilizado para garantir a segurança dos portos e aeroportos da Nova Caledônia.
As medidas do estado de emergência entraram em vigor às 5h de quinta-feira no horário local (15h de Brasília nesta quarta-feira). Segundo a porta-voz do governo, Prisca Thévenot, o estado de emergência concede ao Estado poderes ampliados para manter a ordem, incluindo a imposição de proibições de trânsito, prisões domiciliares e buscas.
Os protestos na Nova Caledônia tiveram início na segunda-feira, em resposta ao debate sobre a reforma do censo eleitoral na Assembleia Nacional francesa. Atualmente, apenas os eleitores recenseados em 1998 e seus descendentes têm o direito de participar das eleições regionais. Os manifestantes temem que a expansão do censo eleitoral reduza a influência proporcional do povo Kanak, os habitantes originais, nas instituições locais.
Os confrontos violentos continuaram na terça-feira, resultando em incêndios criminosos, saques e confrontos com a polícia. As autoridades francesas confirmaram quatro mortes, incluindo um policial de 22 anos, e centenas de feridos, incluindo agentes das forças de segurança.
Em resposta aos protestos, o governo francês propôs uma reforma constitucional para incluir no censo eleitoral pessoas estabelecidas na Nova Caledônia há pelo menos dez anos. Essa proposta visa resolver a crise e encontrar uma solução política global para o conflito na região.
A Nova Caledônia, localizada no Oceano Pacífico, é um território ultramarino francês com uma população de 270 mil habitantes.

Compartilhe  

últimas notícias