Diário de São Paulo
Siga-nos

Conselho do FGTS aprova tetos de renda maiores para Casa Verde e Amarela

Imagem Conselho do FGTS aprova tetos de renda maiores para Casa Verde e Amarela

Publicado em 08/07/2022, às 00h00 - Atualizado às 07h46 Redação


O Conselho Curador do FGTS aprovou nesta quinta-feira medidas que o setor da construção espera serem capazes de destravar o programa habitacional Casa Verde e Amarela, impactado pela alta de custos e queda da renda de famílias pressionadas pelo aumento da inflação.

Os limites de renda familiar mensal bruta para candidatos ao programa habitacional foram elevados. A subfaixa 1, de renda entre 2.400 e 2.600 reais, teve o teto ampliado a 3 mil reais. A faixa mais baixa de até 2.400 foi mantida.

Acima destes patamares, o conselho aprovou a elevação de valores do grupo intermediário – que subiu de 2.600 a 4 mil reais para 3 mil a 4.400 reais mensais – e do grupo de renda maior, que passou de 4 mil a 7 mil reais para 4.400 a 8 mil reais.

No final da reunião do conselho, as ações das construtoras encerraram em forte alta. MRV subiu 6,42%, Tenda saltou 11,69%, Plano&Plano valorizou-se 6,37% e Direcional ganhou 4,43%.

“As medidas representam avanços para melhorar a condição de quem produz (construtoras) e manter a condição de compra do cidadão brasileiro que quer adquirir seu imóvel”, afirmou o secretário Nacional de Habitação do Ministério do DesenvolvimentoRegional, Alfredo Santos, durante apresentação online promovida pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (Cbic).

O presidente da Cbic, José Carlos Martins, afirmou que as medidas “são excelentes e ajudam bastante”.

Santos disse que as medidas representam uma ampliação de até 19 mil reais na capacidade de financiamento das famílias e que as reduções nas taxas de juros serão de 0,75% e 1,16% nas faixas do Casa Verde e Amarela. Segundo o secretário, 31% da carteira do programa será beneficiada com a redução dos juros.

Além disso, o conselho aprovou mudanças no programa Pró-Cotista, voltado para quem não se enquadra no Casa Verde e Amarela.

Segundo Santos, haverá uma redução até o final do ano da taxa de juros Pró-Cotista de 1%, para 7,66% ao ano, para imóveis avaliados em até 350 mil reais. No caso de imóveis acima deste valor, a redução será de 0,5%, para 8,16% ao ano.

A expectativa do setor da construção é que as medidas aprovadas entrem em vigor até 18 de julho.

Compartilhe