Siga nossa Redes

Sem categoria

MP pede que TCU investigue possível interferência ideológica na Anvisa

Redação

Publicado

em

MP pede que TCU investigue possível interferência ideológica na Anvisa

Pedido foi feito após agência reguladora suspender testes clínicos da vacina chinesa desenvolvida em parceria com o Instituto Butantan

O Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União (MP-TCU) pediu a abertura de uma investigação para avaliar se a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) está sofrendo “influências político-ideológicas” no processo de análise dos estudos da CoronaVac. Na segunda, a  Anvisa suspendeu o estudo clínico da vacina e, nesta terça-feira, presidente Jair Bolsonaro, publicou uma postagem sobre o assunto dizendo que havia “ganho mais uma” .

A CoronaVac é desenvolvida em parceria pelo Instituto Butantan, do governo de São Paulo, e pelo laboratório chinês Sinovac . A vacina é uma das quatro que está no estágio 3 dos estudos clínicos, o mais avançado antes da liberação ao público.

Na segunda-feira, no entanto, a Anvisa anunciou a suspensão do estudo após a ocorrência de um “evento adverso grave” . Mais tarde, foi informado que o “evento” foi a morte de um voluntário queparticipava dos testes.

Segundo as autoridades de São Paulo, a  morte do voluntário não tinha relação direta com os testes aos quais o voluntário estava sendo submetido. Ainda não há estimativa sobre quando os testes serão retomados .

Em sua representação, o sub-procurador do MP-TCU Lucas Furtado pediu que o TCU abrisse uma investigação e passasse a avaliar as  tomadas de decisão da Anvisa em relação à suspensão dos testes com a CoronaVac para saber se a medida foi tomada com base em critérios técnicos ou se sofreu influências político-ideológicas.

“Já não bastasse o risco de um vírus fatal no âmago da nossa sociedade. Agora, ao que parece, a luta é contra outros vírus: a guerra política brasileira ”, disse Furtado em sua representação.

Furtado criticou, ainda, a postagem de Bolsonaro sobre a suspensão dos estudos: “questiono-me novamente qual seria vantajosidade para a saúde dos brasileiros o cancelamento de uma vacina que, até então, estava sendo aprovadapor todos testes. Seria vantajosidade política ? A meu ver, não existem motivos para comemorar”.

A polêmica em torno da decisão da Anvisa de suspender os testes clínicos da CoronaVac se prolongou durante toda a terça-feira. O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, reagiu dizendo em coletiva de imprensa que a decisão da Anvisa causou indignação. Segundo ele, o evento não tem relação com os testes da CoronaVac.

“Do ponto de vista clínico do caso, é impossível que haja relacionamento do evento com a vacina. Essa definição (impossível) encerra a discussão”, salientou o presidente do Butantan.

O diretor-presidente da Anvisa, Antônio Barras Torres, no entanto, também chamou uma entrevista coletiva e afirmou que os dados repassadas pelo Instituto Butantan foram “ insuficientes e incompletos ” e que, por isso, a agência decidiu pela suspensão dos estudos.

“As informações veiculadas ontem foram consideradas, pela área técnica, insuficientes, incompletas, para que ontem fosse possível,de posse delas, continuar permitindo o desenvolvimento vacinal “, disse o diretor-presidente da Anvisa, Antônio Barras Torres.

A polêmica ganhou mais um contorno depois que o presidente do Conselho Nacional de Ética em Pesquisa (Conep), Jorge Venâncio, disse que o órgão avaliou as informações repassadas pelo Instituto Butantan e não via motivos para a suspensão dos estudos .

“Não pedimos suspensão de estudo, de jeito nenhum. O voluntário tomou a segunda dose da vacina 22 dias antes, não tinha nenhum problema de saúde e chegou a fazer um check-up particular, com uma bateria de exames, pouco depois. Então não tem nenhuma lógica suspender um estudo que mobiliza milhares de pessoas para uma vacina que precisamos desesperadamente”, disse Venâncio.

Há semanas, o presidente Jair Bolsonaro vem criticando a CoronaVac, colocando em xeque a qualidade do produto e chegou a afirmar que, mesmo que a vacina fosse aprovada pela Anvisa , o governo federal não a compraria. Dias depois, Bolsonaro recuou e disse que o governo poderia, sim, adquirir o produto.

Enquanto o governo paulista fechou parceria com o laboratório chinês Sinovac, o governo federal fechou um acordo no valor de R$ 1,9 bilhão para a compra e transferência de tecnologia da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford, o laboratório AstraZeneca e a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Em setembro, o estudo clínico da vacina também foi suspenso após a morte de um voluntário. O estudo, no entanto, foi retomado dias depois.

.

.

.

iG

mais lidas