Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Sem categoria

Governo de Bolsonaro estimula reação do movimento negro, diz especialista

Publicado

em

Governo de Bolsonaro estimula reação do movimento negro, diz especialista

Vagas no mercado de trabalho exclusiva para negros, juiza acusada de racismo, entrevista da apresentadora Glória Maria: especialistas repercutem os fatos recentes que tencionaram o debate sobre a questão racial no Brasil

Na última semana, diversos fatos geraram debates confrontadores na imprensa e nas redes sociais sobre a desigualdade racial e o racismo no Brasil.

Casos como o da juíza acusada de racismo ter sido absolvida , o da jornalista Glória Maria ter dito que “tudo é racismo” e o das lojas de eletrodomésticos  Magazine Luiza e da farmacêutica Bayern terem sido acusadas desde racistas a propagadoras da diversidade , por promover um processo seletivo de trainee exclusivo para candidatos negros, são apenas alguns exemplos de como o debate sobre raça tem pautado a agenda pública neste ano.

iG ouviu especialistas dedicados ao tema para compreender o que está por trás dos debates mais recentes sobre raça e racismo no Brasil, bem como a profundidade do tema.

Situação Política

O professor da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e pós-doc pelo The Hutchins Center for African American Research de Harvard, Matheus Gato, de 36 anos, avalia que a conjuntura política do governo conservador do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) estimula a reação do movimento negro.

“O campo progressista que politiza o racismo tem mais voz pública do que antes”, argumenta. “Estamos em um período em que ao mesmo tempo em que a sociedade tem noção do racismo estrutural — fenômeno de desnaturalização do racismo — a gente tem setores da sociedade investindo nas formas mais abertas de racismo e discriminação . Cai a ideia de que o racismo é velado”, diz.

Nesse sentido, a historiadora e professora do Instituto Federal de São Paulo (IFSP), Juliana Serzedello, relembra o caso recente promovido pelo governo federal, por meio da Fundação Palmares , chefiada por Sérgio Camargo, de retirar o nome da deputada federal Benedita da Silva (PT-RJ) da lista de personalidades negras da fundação.

“Em um governo de extrema direita , como o que a gente está vivendo agora, o debate público tende a inflamar temas que são espinhosos para este governo. Em um governo que acolhe as pautas raciais e promove políticas públicas de igualdade racial, o tema tende a ficar mais bem acomodado nas relações sociais”, diz Serzedello.

“Este governo não só não pretende acomodar a pauta racial, como ele pretende tensionar este campo. Ele pretende criar situações de tensão racial”, complementa.

Debate público sobre racismo

A proposta de um programa de trainee organizado pela empresa Magazine Luiza, como forma de reconhecer a ausência de lideranças negras na empresa e a necessidade de diversificar os quadros, fez com que uma das maiores lojas de eletrodosméticos do país se tornasse o assunto mais comentado do Twitter Brasil, com a hastag ” Magazine Luiza racista “.

Políticos de direita impulsionaram o debate contra a iniciativa, enquanto intelectuais negros, lideranças do movimento negro e políticos ligados ao campo da esquerda comentaram a importância da iniciativa. A Juliana Serzedello destaca que a existência de um debate mais intenso sobre o racismo não o torna maduro e qualificado.

“Eu não sei se o debate amadureceu ou se ele só se tornou acessível a mais pessoas, porque o debate sobre as questões raciais no Brasil é maduro há muito tempo. Desde a discussão sobre como seria feita a abolição nós podemos dizer que há um movimento negro debatendo o assunto. O movimento negro é muito consistente há muito tempo, mas o que aconteceu é que mais pessoas ficaram sabendo que ele existe”, diz a historiadora.

“O fato do problema das questões raciais estar chegando para mais pessoas não quer dizer que está chegando com qualidade de informação. Principalmente se a gente pensar que as pessoas estão se informando em grupos que estão produzindo contra-informações. É complicado dizer que se o fato das pessoas estarem acessando mais informação faz com que elas saibam melhor das coisas”, complementa.

Para Gato, a presença de negros no debate sobre raça revela uma nova e importante perspectiva sobre o tema, que mesmo atingindo diretamente a população negra, por diversas vezes é debatido por intelectuais brancos, como no caso da discussão sobre a aprovação da lei de cotas, relembra.

“A questão não é se o debate sobre racismo amadureceu, porque essas coisas não são feitas necessariamente com consciência. Esse é um campo de luta, mas hoje você tem pessoas ligadas ao tema posicionadas em lugares para pressionar isso”, diz.

Casos de racismo

Debates como o da Magazine Luiza tendem a mostrar a face estrutural do racismo, porém casos de racismo mais explicítos, como o da juíza do Paraná que condenou e agravou a pena de um garoto negro por conta das suas características física s, tendem a ser individualizados e repercutidos com mais frequência na imprensa. Muitas vezes gerando a sensação de uma onda crescente de casos de racismo.

“É díficil quantificar a violência racial, porque ela pode estar no número de assassinatos de homens negros por arma de fogo, ou no acesso de pessoas negras a universidade. Ela pode estar nesses dados mais macro ou em questões micro, como uma pessoa ser impedida de entrar numa agência bancária. É difícil quantificar a experiência do racismo porque ela é múltipla”, análisa Serzedello.

O Matheus Gato alerta para algumas faces da onda de notícias sobre casos de racismo, dentre elas a mudança da imprensa brasileira após o caso George Floyd, que passou a repercutir e analisar com mais responsabilidade os casos de racismo locais.

“A publicização ajuda as pessoas a terem coragem para denúncia, independente do contexto. Os movimentos sociais sempre alertaram para isso. Mas o governo se apresenta com essa face de silenciar e lidar de maneira folclórica com a questão do racismo, por isso mobilizar esse tema é importante para as pessoas que vão contra este governo. Neste contexto o debate é favorecido, mobilizar o tema é de alguma forma armar a população contra o racismo”, análisa.

Caso Glória Maria

Em entrevista à jornalista Joyce Pascowich no último dia 25 de setembro, Glória Maria se posicionou contra o chamado “politicamente correto”e disse que ” hoje tudo é racismo, preconceito e assédio “. Novamente, a imprensa e as redes sociais foram tomadas pela discussão.

Dessa vez, o grande fator de comoção foi o fato de uma personalidade negra não ter se mostrada completamente alinhada à agenda de combate ao racismo promovida pelos movimentos negros.

Os especialistas Matheus Gato e Juliana Serzedello não individualizam as falas de Glória Maria, mas ressaltam um fator importante neste evento que é a possibilidade de desmistificar a ideia “racista” de unidade do povo negro.

“O racista espera que os negros sejam uma coisa só , que todos tenham as mesmas posições. Você tem brancos de direita e de esquerda e isso não é um problema para a questão racial, mas você ter negros na direita é um problema de identidade. Tem que veja como uma contradição ser negro e ser de direita”, diz Gato.

“Episódios como esse deixam claro que não é porque as pessoas são negras que elas têm que pensar igual”, complementa Serzedello.

O sociológo Gato propõe ainda uma outra reflexão sobre o processo de formação de personalidades como a Glória Maria e a inserção de pessoas negros em contextos majoritariamente brancos.

“As estratégias dessas pessoas nesse mundo branco, como diz o Florestan Fernandes, é o silenciamento, é não tornar a relação com o preconceito racial uma questão política. É necessário entender o lugar do qual ela está falando”, diz.

.

 

.

 

.

 

IG

mais lidas