Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Esportes

As opções táticas de Cuca e Abel Ferreira para a final da Libertadores

Publicado

em

As opções táticas de Cuca e Abel Ferreira para a final da Libertadores

Confira as alternativas que cada técnico tem para montar o time e os pontos fortes e fracos de Santos e Palmeiras

Tudo pode acontecer na final entre Santos e Palmeiras, às 17h, no Maracanã, na final da Copa Libertadores. Os dois rivais chegam com força máxima para a decisão, e tanto Cuca como Abel Ferreira mantiveram segredo total sobre o time titular.

Seria um indicador de que vem surpresa por aí?

A julgar pela campanha, quem mais surpreende é o Palmeiras. Abel Ferreira não repetiu o time nos seis jogos da fase eliminatória, e dois esquemas táticos foram usados: o 4-1-4-1 e o 5-3-2. Já Cuca opta sempre pelo 4-3-3, com o inconfundível trio Kaio Jorge, Soteldo e Marinho.

A possibilidade de ir a campo com um esquema ou uma estratégia diferente nasce no estudo do rival. Cuca e Abel são reconhecidamente estrategistas, do tipo de treinador que estuda o adversário para saber de todos os detalhes. Qual é o ponto forte do ataque? E na defesa, onde estão as possíveis falhas? Confira abaixo um raio-x completo dos dois times que decidem a Libertadores.

Palmeiras faz mais gols com jogadas trabalhadas, Santos prefere espaço e velocidade

 

Um time que tem Marinho e Soteldo certamente vai procurar muito a dupla. É o que acontece com o Santos. Os dois participaram de 8 dos últimos 10 gols do Santos – Soteldo tem três assistências e dois gols. O Santos gosta de atacar de uma forma mais rápida, com muitos contra-ataques e rápidas transições – quando o time rouba a bola no ataque e sai rápido para o gol.

Como o Santos cria seus gols?
Levantamento realizado nos últimos 20 jogos
Ataque combinado: 8Transição rápida: 5Pênalti: 4Contra-ataque: 4Cobrança de lateral: 3Escanteio: 1Ataque direto: 1Cobrança de falta: 1

É aí que entra a importância de Marinho e Soteldo. Eles potencializam esse momento da roubada de bola e do contra-ataque porque são rápidos e conduzem bem. O Palmeiras precisa ter cuidado para não dar esse espaço e evitar que Marinho conduza a bola até a área, entre o lateral e o zagueiro adversário. É quando ele desorganiza toda a defesa e abre espaço para a chegada de Pituca, Soteldo e Kaio Jorge.

Marinho gosta de sair da direita e conduzir a bola para a área — Foto: Reprodução

Marinho gosta de sair da direita e conduzir a bola para a área — Foto: Reprodução

Já o Palmeiras é um time que trabalha mais a bola e costuma ter mais posse nos jogos. Mas não é aquela posse de bola lenta. O forte da equipe de Abel Ferreira são os ataques diretos. Passes verticais e lançamentos procurando Rony, Luiz Adriano e Raphael Veiga. Muitos cruzamentos trocando o lado da jogada para desorganizar o adversário e abrir espaço para quem vem de trás.

Como o Palmeiras cria seus gols?
Levantamento feito com base nos últimos 20 jogos
Ataque combinado: 13Ataque direto: 5Transição rápida: 5Escanteios: 4Contra-ataque: 3Pênalti: 3Cobrança de falta: 2Cobrança de lateral: 1

O ataque direto do Palmeiras é o que fez Rony crescer de rendimento. Ele, Luiz Adriano, Veiga e Verón se posicionam sempre colados na linha de defesa. A bola nem passa do meio-campo e o ataque do Palmeiras faz o movimento de correr para frente e se antecipar. O time inteiro vai melhor quando joga assim, o que torna o Verdão especialista em quebrar retrancas como a do Delfín e Libertad.

Rony, Verón e Veiga são especialistas em antecipar e receber a bola na frente da defesa — Foto: Reprodução

Rony, Verón e Veiga são especialistas em antecipar e receber a bola na frente da defesa — Foto: Reprodução

Santos sofre na bola parada, Palmeiras erra nos cruzamentos

 

Como nada é perfeito, os dois finalistas, que também são os maiores vencedores do Campeonato Brasileiro, têm alguns pontos fracos na defesa. Nos últimos vinte jogos, o Palmeiras levou 16 gols – 5 deles com o time reserva. Os gols vieram até que de forma democrática, mas chama a atenção o número de erros da defesa em cruzamentos.

Como o Palmeiras sofre gols?
Levantamento feito com base nos últimos 20 jogos
Escanteios: 4Posicionamento da defesa em cruzamentos: 3Posicionamento da defesa: 2Contra-ataque: 2Falhas individuais: 2Lateral na área: 1Pênalti: 1Cobrança de falta: 1

Analisando esses gols, todos eles vieram do lado esquerdo. Um caminho para o Santos pode ser explorar Matías Viña, que muitas ou vezes deixa a bola sem pressão (marcação cerrada), ou corre demais e demora a voltar, possibilitando que o adversário cruze na área. Grêmio, River Plate e o próprio Santos fizeram gols assim.

Abel Ferreira chegou até a reposicionar Scarpa como lateral em alguns jogos, em especial no segundo tempo. Pouco provável que ele entre de titular, uma vez que o uruguaio é fundamental ao Palmeiras, mas o caminho para o Santos parece justamente ser o elo mais fraco do Palmeiras. É o setor onde Marinho joga.

Defesa do Palmeiras costuma sofrer pelo lado esquerdo, quando Viña fica sozinho — Foto: Reprodução

Defesa do Palmeiras costuma sofrer pelo lado esquerdo, quando Viña fica sozinho — Foto: Reprodução

Já o Santos sofreu mais gols – 26 nos últimos 20 jogos. A conta fica inflada pela goleada do Goiás e a vitória do Fortaleza com o time reserva. Chama a atenção que o Santos sofre nas bolas paradas: foram 6 gols de escanteio e 7 pênaltis contra. Curiosamente, no último encontro com o Palmeiras, o Santos sofreu um gol de pênalti e um de escanteio.

Como o Santos sofre gols?
Levantamento feito com base nos últimos 20 jogos
Posicionamento da defesa: 5Pênaltis: 7Escanteios: 6Rebotes: 4Cobrança de lateral: 2Contra-ataque: 2

Outro ponto que o Palmeiras pode explorar são algumas falhas de posicionamento principalmente quando o time perde a bola ou precisa proteger a chamada segunda bola – o rebote, a famosa “bola vadia”. O Santos levou quatro gols dos últimos vinte tomados assim, quando desprotege a área.

É uma consequência do próprio estilo de Cuca, os chamados encaixes de marcação. O Santos é uma equipe que afasta bem o perigo, fecha muito bem os espaços no meio-campo. Mas quando o adversário consegue furar o bloqueio, há uma certa dificuldade em reajustar os encaixes.

Defesa do Santos marca individualmente — Foto: Reprodução

Defesa do Santos marca individualmente — Foto: Reprodução

Todos os pontos fortes e fracos juntos e colocados na balança só deixam o duelo ainda mais equilibrado. Trata-se de um dos maiores clássicos do Brasil, certamente o maior na década de 1960, quando a primeira Academia do Palmeiras e o Santos de Pelé duelaram por vários títulos.

Também há a rivalidade recente que começou em 2015, com o Santos vencendo o Paulista e depois perdendo a Copa do Brasil nos pênaltis. No ano seguinte, o Alvinegro Praiano eliminou o Palmeiras do paulistão, mas acabou vice-campeão no Brasileiro.

Clássico que é clássico reserva de tudo!

  • É muito improvável que Cuca mude o esquema ou modo de jogar do Santos. O time deve ir a campo no 4-3-3 de sempre, com Pituca, Lucas Braga e Alison no meio-campo. O que pode ser a novidade é uma jogada combinada de bola parada, algo que o treinador sempre levou em seus times.
  • Abel Ferreira pode resgatar a linha de cinco defensores que deu tão certo na Argentina. Gabriel Menino vira ala e Marcos Rocha ou Empereur fariam o terceiro zagueiro. Esquema que pode evitar o espaço para Marinho e Soteldo.
  • Se mandar a campo o 4-1-4-1 do início de seu trabalho, Abel Ferreira cobrará uma atenção maior de Veiga ou Willian para fechar a segunda linha de meio e não deixar Viña sozinho com Marinho.
  • E o Santos terá que cuidar bem da região central. É por lá que Luiz Adriano costuma abrir espaço para Rony e Veiga. Alison pode voltar a fazer o que fez com o Boca e ser quase um terceiro zagueiro.

 

Alternativas e opções que você descobre às 17h, no Maracanã, pela grande final da Libertadores 2020.

.

.

.

Fonte: GE – Globo Esporte.

mais lidas