Diário de São Paulo
Siga-nos
Falta de vacina!

Sem produção de CoronaVac, estados criam alternativas para atender crianças de 3 e 4 anos

O maior produtor de vacinas do Brasil, Instituto Butantan, de São Paulo, não tem CoronaVac no estoque

O maior produtor de vacinas do Brasil, Instituto Butantan, de São Paulo, não tem CoronaVac no estoque - Imagem: Freepik
O maior produtor de vacinas do Brasil, Instituto Butantan, de São Paulo, não tem CoronaVac no estoque - Imagem: Freepik

Publicado em 23/07/2022, às 08h56 Jair Viana


De fabricação nacional pelo Instituto Butantan, São Paulo, a vacina CoronaVac dada às crianças tem a mesma dosagem dos adultos e é aplicada em duas doses, está em falta.  O fabricante anunciou que como não houve pedido de compra pelo Ministério da Saúde, a produção do imunizante foi suspensa temporariamente.

O governador de São Paulo, Rodrigo Garcia (PSDB) disse que vai importar cerca de 8 mil litros do insumo para que o Butantan produza as doses necessárias para atender a demanda referente à vacinação de crianças de 3 e 4 anos. A previsão é que essas doses fiquem prontas já no próximo mês.

"Tomamos essa decisão, antes mesmo da inclusão no PNI (Programa Nacional de Imunizações), para que a gente tenha vacina suficiente para vacinar as crianças de São Paulo e colocá-las à disposição do Ministério da Saúde para vacinar as crianças do Brasil", disse Garcia.

Em nota, o Butantan diz aguardar "a decisão do Ministério da Saúde para incorporar a CoronaVac ao Programa Nacional de Imunizações (PNI) para que possa, assim, ser distribuída em todos os estados e municípios".

O Ministério da Saúde não se pronunciou sobre a compra, distribuição e aplicação da CoronaVac nas crianças.

Enquanto a fabricação de novas doses não é feita, capitais e municípios do interior brasileiro têm usado estoques próprios para iniciar a vacinação das crianças.

Em alguns lugares, as autoridades da Saúde começaram a vacinação de crianças de 4 anos, mas não de 3 anos. Em Brasília, por exemplo, situação só se aplica doses que sobram (da chamada "xepa") nas crianças mais novas.

Em João Pessoa (PB) estão sendo vacinadas crianças de 4 anos, já entre as de 3 anos, apenas aquelas com deficiência ou comorbidades.

Em Recife, Jaboatão dos Guararapes, Olinda e Caruaru, a vacina é destinada às crianças de 4 anos. Em Belo Horizonte apenas crianças imunossuprimidas podem receber a vacina.

Já no Pará, as quatro maiores cidades Belém, Ananindeua, Santarém e Marabá já iniciaram a vacinação de crianças de 4 e 3 anos. O mesmo acontece em Goiânia e Anápolis (GO), São Luís e Imperatriz (MA), Vitória, Vila Velha e Serra (MA), Manaus (AM), Macapá (AP), Rio Branco (AC), Salvador (BA), Fortaleza (CE), Curitiba (PR) e Uberlândia (MG).

Compartilhe