Diário de São Paulo
Siga-nos
Crime!

DENÚNCIA: mulher é assediada por urologista e expõe mensagens após consulta

Caso ocorreu em Salvador, BA, e está sob investigação da polícia civil

Doutor teria ainda tentado convencer a mulher a sair com ele, segundo mostram as mensagens - Imagem: Freepik
Doutor teria ainda tentado convencer a mulher a sair com ele, segundo mostram as mensagens - Imagem: Freepik

Publicado em 21/07/2022, às 12h32 João Perossi


Mais um caso revoltante relacionado à medicina. Uma mulher, que preferiu não ser identificada, expôs um urologista em Salvador por assédio sexual durante a consulta.

O médico teria, segundo a vitima, tocado em seu clitóris de maneira completamente desrespeitosa e antiética, e depois ainda tentou a beijar na boca. Um boletim de ocorrência sobre o caso foi feito e a polícia civil de Salvador já começou as apurações.

Após sair constrangida da sala, a vítima teria trocado mensagens no serviço de mensagens Whatsapp com o doutor, que teria confessado a culpa e pedido para que ela não o prejudicasse, em nome da filha que tem. O profissional disse também que gostaria de sair com a mulher.

"Meu psicológico está prejudicado", respondeu a mulher. "Tentar me tocar na maca me fez sentir completamente assediada, foi muita falta de ética", completou.

Em declaração para o G1 a vítima delcarou que "Hoje é muito doloroso pra mim para falar sobre isso, mas eu não posso ficar calada".

"Tenho que denunciar, porque pode ser que outras mulheres tenham passado por isso, ou pode ser que eu tenha sido a primeira, mas que não tenha outras vítimas, né? Minha intenção é justamente essa".

O Conselho Regional de Medicina do Estado da Bahia (Cremeb) instaurou, de 2018 a 2022, 14 sindicâncias para apurar casos de assédio sexual no ambiente de enfermagem. Apenas dois desses casos resultaram em cassação da função, mas os médicos continuam no cargo mediante recurso do Conselho Federal de Medicina.

Compartilhe