Diário de São Paulo
Siga-nos
Outback

FIM DO OUTBACK? CEO da empresa estuda sair do país

Com 159 restaurantes no país, a rede representa 87% do faturamento internacional da empresa

Operação brasileira do Outback foi responsável por 87% do faturamento internacional em 2023 - Imagem: Reprodução / Outback Steakhouse
Operação brasileira do Outback foi responsável por 87% do faturamento internacional em 2023 - Imagem: Reprodução / Outback Steakhouse

Sabrina Oliveira Publicado em 15/05/2024, às 11h14


A rede de restaurantes Outback, uma das mais populares no Brasil, pode estar prestes a passar por uma grande mudança. A Bloomin' Brands, empresa controladora da marca, está avaliando a possibilidade de vender suas operações brasileiras. Essa notícia gerou preocupações entre os frequentadores do restaurante, mas a empresa assegura que os estabelecimentos continuarão abertos e funcionando normalmente.

A decisão da empresa de considerar a venda das operações no Brasil surge por motivo de queda nas vendas e prejuízos no primeiro trimestre de 2024. A Bloomin' Brands declarou que está explorando alternativas estratégicas para maximizar o valor para seus acionistas, e uma dessas alternativas pode ser a venda da operação no Brasil. No entanto, isso não significa que os restaurantes irão fechar. 

Estamos comprometidos em manter os restaurantes em pleno funcionamento e proporcionar consistentemente uma experiência excepcional aos nossos clientes", afirmou a empresa em nota oficial.

A operação brasileira do Outback é a segunda mais importante para a Bloomin' Brands, ficando atrás apenas dos Estados Unidos, onde fica a sede da empresa. Em 2023, as operações internacionais da rede renderam US$ 84 milhões, uma vez que o Brasil representou uma fatia expressiva desse valor, com as lojas brasileiras respondendo por 87% do faturamento internacional da empresa.

Atualmente, a Bloomin' Brands opera 159 restaurantes do Outback no Brasil, além de 16 unidades do Abbraccio e duas do Aussie Grill. Essa ampla presença no país reforça a importância do mercado brasileiro para a empresa.

Caso a venda das operações brasileiras realmente se concretize, é possível que um novo controlador assuma a gestão dos restaurantes. Esse novo comando pode trazer mudanças na administração, mas a continuidade das operações e a experiência oferecida aos clientes devem ser mantidas. A Bloomin' Brands assegura que qualquer transição será feita de maneira a não prejudicar o serviço prestado.

Compartilhe  

últimas notícias