Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Sem categoria

Pabllo Vittar diz criar músicas com caderninho, áudios no WhatsApp e ‘referências da infância’

Publicado

em

Pabllo Vittar diz criar músicas com caderninho, áudios no WhatsApp e 'referências da infância'

Ao G1, cantora comenta seu segundo álbum, ‘Não Para Não’, e fala que não vai aumentar a quantidade de shows: ‘Mais de um por noite não rola. Sou drag e a maquiagem caga toda’.

Pabllo Vittar está cansado. Emendando várias entrevistas durante a tarde da segunda-feira (8), interrompe rindo o papo com o G1: “Ué, menino… Você não já perguntou sobre featuring? Ah não, foi outro jornalista que tinha perguntado isso”.

O segundo álbum do cantora e drag queen de 23 anos, o recém-lançado “Não Para Não”, tem Ludmilla, Dilsinho e a amiga trans Urias. Mas tem mais do que isso, ele conta:

“Eu quis cavar o buraco mais fundo com referências da minha infância e adolescência. Quando morei em Belém, escutava calipso, brega, carimbó. No Maranhão, escutava pagodão baiano, arrocha, swingueira… Tem coisas que não são tão ‘teen’ no meu som”.

Pabllo é mais soltinha e fala menos no automático do que outras popstars de seu patamar. Solta até umas frases desconexas, com mais simpatia do que marra. No começo da entrevista, já diz: “Braulio? Gostei muito do seu nome… Hmmm… Diferente, né? Igual ao meu”.

Phabullo Rodrigues da Silva começou a ser mais falada em 2015, a partir de uma versão de um hit do trio Major Lazer com a cantora MØ. “Lean On” virou “Open Bar”. Depois disso, ganhou status de fenômeno pop:

  • Lançou os hits ‘Sua Cara’, ‘K.O.’ e ‘Corpo Sensual’
  • Virou rainha das fakes news, muitas citando Lei Rouanet
  • Ajudou a fortalecer a cena de cantoras drags, trans e travestis

Então, como manter a espontaneidade do começo da carreira, agora com mais verba para gravar? “Às vezes, você vê artista com personalidade se vendendo por modismo. Não quero criar algo novo, isso é balela, né? Mas tem que colocar sua alma. Eu quero beber das fontes que são minhas”.

O caderninho de Pabllo

Pabllo Vittar — Foto: Divulgação / Pedrita Junckles

Pabllo Vittar — Foto: Divulgação / Pedrita Junckles

Pabllo anda com um caderninho para lá e para lá. Nele, registra ideias de letras. “Eu escrevo no papel com o mesmo coração do menino que escreveu ‘Open Bar’. Se estou no meio do voo e vem um babado, escrevo no caderno”.

Ela usa o celular para cantarolar melodias que podem virar hits. Costuma enviar áudios de WhatsApp ou fotos das páginas de seu caderninho de letras para seu produtor, Rodrigo Gorky. É ele quem seleciona o repertório: “Ele recebe tudo e me manda o que tem a ver comigo. Se é de comum acordo, eu gravo”.

Ele garante que a fossa trouxe muito mais inspiração para o novo álbum do que sua nova vida de popstar. “Eu me apaixonei, quebrei a cara. não era para ter feito certas coisas amorosamente”, explica, rindo de leve. “Mas pelo menos me deu tema para umas músicas”.

Em “Disk me ama”, canta: “Que coragem você tem de me ligar / Às quatro da manhã pra me falar de amor / O que você tomou?”

Outra música nova é “No Hablo Español”. A ideia da letra, segundo ele, era mostrar um casal que “não fala a mesma língua, mas fala a língua do beijo”. “Brasileiro não fala muito, só quer beijar. Estou dando um olá para o mercado latino”.

Embora deixe claro que não fala o idioma de Miguel de Cervantes e Shakira, Pabllo fala de sua limitação com ironia e quer ir além do pop em português.

“Estou me empenhando muito. Tenho feito aula de inglês e vou começar as de espanhol. Os dois são bem complicadinhos. É que vejo minhas músicas entrando em charts no Peru, Argentina e Uruguai… Quando fui para Los Angeles [para gravar o disco], a comunidade latina me conhecia até ‘desmontada'”.

Pabllo cantando k-pop?

“Buzina”, conta ele, tem influências do k-pop, o estilo sul-coreano muito querido por aqui. “Tenho várias fãs que gostam de k-pop, de anime. Eu vejo muito anime. Falo muito com os fãs e a gente acaba trocando referências. Foi por meio deles que comecei a ouvir Black Pink. Não conhece? Você tem que ver, é babado”.

Pabllo também adianta que já fechou a estrutura de seu novo show, com músicas de seus dois álbuns e do primeiro EP. “Nunca vou deixar de cantar ‘Open Bar’. Ela me marcou muito. O setlist está incrível. Já estamos costurando as coisas soltas para a turnê”.

Antes de falar com o G1 por telefone, Pabllo havia passado a tarde gravando um vídeo que estará no telão das apresentações que fãs vão ver nos próximos meses. “Eu e meu stylist Victor Miranda estamos idealizando os figurinos que mudam, que brilham”.

Mas e a média de shows, vai aumentar? “Mais de um show por noite não rola… Eu sou drag e a maquiagem caga toda. Eu já fiz? Fiz. Recomendo? Não recomendo. ‘Minha irmã, vai dormir e vai descansar’. A saúde mental tem que ficar equilibrada”.

Estilista de Pabllo Vittar, Victor Miranda abre armário da drag e faz seu top 5 de looks

Estilista de Pabllo Vittar, Victor Miranda abre armário da drag e faz seu top 5 de looks

mais lidas