Diário de São Paulo
Siga-nos

Macron anuncia reforma no governo sem ministro acusado de estupro

Imagem Macron anuncia reforma no governo sem ministro acusado de estupro

Publicado em 04/07/2022, às 00h00 - Atualizado às 09h31 Redação


O presidente da França, Emmanuel Macron, anunciou nesta segunda-feira (4) uma reforma do governo enfrentar o segundo mandato, no qual ele terá dificuldades para aplicar sua agenda reformista e liberal depois de perder a maioria absoluta nas eleições legislativas.

Macron não fez mudanças profundas no governo de sua primeira-ministra, Élisabeth Borne, do qual foi afastado o ministro de Solidariedades, Autonomia e Pessoas com Deficiência, Damien Abad, um dos três integrantes do gabinete acusados de estupro.

A entrada de maior destaque no governo é a de Laurence Boone, atual economista-chefe da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômicos (OCDE), como nova secretária de Estado para Assuntos Europeus.

Ministro francês da Solidariedade, Damien Abad, durante evento em Paris — Foto: Benoit Tessier/REUTERS

Ministro francês da Solidariedade, Damien Abad, durante evento em Paris — Foto: Benoit Tessier/REUTERS

Christophe Béchu, atual ministro delegado para as Coletividades Territoriais, assumirá uma das pastas prioritárias, Transição Ecológica, em substituição a Amélie de Montchalin, obrigada a sair depois de sua derrota nas eleições legislativas.

Esta amiga de Macron é um dos três membros do governo que disputaram as eleições e não conseguiram uma cadeira no Parlamento, o que, por força de uma regra não escrita, significa que devem abandonar seus cargos no Executivo.

O médico François Braun assumirá o ministério da Saúde no lugar de Brigitte Bourguignon, em plena sétima onda de contágios da covid-19 na França. A primeira-ministra Borne deseja descongestionar rapidamente os hospitais.

O diretor geral da Cruz Vermelha na França, Jean-Christophe Combe, substituirá Damien Abad como ministro, depois que a justiça abriu uma investigação por tentativa de estupro, acusação que o agora ex-ministro nega.

A secretária de Estado para Desenvolvimento, Francofonia e Associações Internacionais, Chrysoula Zacharopoulou, que também nega as acusações de estupro contra ela no exercício de sua profissão de ginecologista, permanece no cargo.

Assim como o ministro do Interior, Gérald de Darmanin, que também assume as funções de Ultramar. O Ministério Público francês pediu no início do ano o arquivamento de uma denúncia por estupro contra o político.

Emmanuel Macron durante evento de posse para seu segundo mandato — Foto: Gonzalo Fuentes/REUTERS

Emmanuel Macron durante evento de posse para seu segundo mandato — Foto: Gonzalo Fuentes/REUTERS

A reforma ministerial representa na prática o início do segundo mandato do presidente centrista, dois dias antes do discurso de política geral de sua primeira-ministra, e encerra um período de incerteza desde sua reeleição em 24 de abril.

Borne já iniciou com a negociação com a oposição de seu primeiro projeto de lei, um pacote de medidas que pretende proteger o poder aquisitivo e que o governo espera aprovar entre o fim de julho e o início de agosto.

Compartilhe